Rádio Observador

Crise dos Refugiados

Refugiados: OCDE afirma que Portugal continua a cumprir compromisso

Um relatório entregue ao Conselho Europeu para os Refugiados e Exilados, coloca Portugal entre os países que mais pedidos de asilo recusa. Contudo, número de pedido aceite está em crescimento.

Esta quinta-feira é o dia mundial do Refugiado

Pedro Nunes/LUSA

No último ano, dos 1.749 pedidos de asilo feitos a Portugal, 500 estatutos de proteção internacional foram concedidos, referiu o Serviço de Estrangeiros e Fronteiras. Segundo o Jornal de Notícias, de todos os pedidos feitos, incluídos os pendentes que transitaram de 2016 para 2017, Portugal rejeitou 64%.

O número, segundo comentários de Teresa Tito, presidente do Conselho Português para os Refugiados (responsável pelo estudo), deve-se aos pedidos de asilo espontâneos que são feitos à entrada de Portugal. Teresa Tito justificou ainda o número de rejeições com a Convenção de Genebra, por muitos migrantes não serem perseguidos no país de origem.

Os números têm como base dados do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras e foram entregues à Asylum Information Database, do Conselho Europeu para os Refugiados. Na União Europeia, a Polónia, França, Hungria, Croácia, Reino Unido e Bulgária ficaram à frente de Portugal nas rejeições de pedidos de asilo.

Em 2016, quase 47 mil estrangeiros chegaram a Portugal, o valor mais elevado desde 2010, tendo o país dado estatuto de refugiado ou proteção internacional a 400 pessoas, o dobro de 2015, revela um relatório da OCDE divulgado esta quinta-feira.

Estes dados referentes a 2016 e 2015, fazem parte do relatório da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) sobre migrações, divulgado no Dia Mundial dos Refugiados, onde o organismo analisa os recentes desenvolvimentos em matéria de movimentos migratórios e, pela primeira vez, o impacto do acolhimento de refugiados no mercado laboral.

Em relação aos refugiados, a OCDE aponta que Portugal concedeu estatuto de refugiado ou proteção internacional a 400 pessoas em 2016, duas vezes mais do que em 2015, sendo que em dois terços dos casos foi dado visto humanitário e aos restantes estatuto de refugiado.

Portugal continua a cumprir com o seu compromisso, no âmbito da agenda europeia para a migração, de acolher e instalar 4.574 pessoas vindas da Grécia e de Itália, até dezembro de 2017”, refere a OCDE, acrescentando que entre janeiro e junho desse ano foram recolocadas 2.250 pessoas, aproximadamente 50% do número total acordado.

Em relação aos imigrantes, a OCDE salienta que em 2016 entraram no país 46.900 pessoas, “o nível mais elevado registado desde 2010 e um aumento de 24% em relação a 2015”, e que teve como consequência o “primeiro aumento do número da população estrangeira desde 2009”.

Em 2016, viviam em Portugal 397.700 estrangeiros, mais 2,3% do que em 2015, refere a OCDE. “Mais de metade do aumento da entrada anual pode ser relacionado com a livre circulação na União Europeia. O número de migrantes da União Europeia aumentou mais de 40% em dois anos”, lê-se no relatório

O documento acrescenta que em 2014 eram 14.700 pessoas, número que passou para 21.200 em 2016, ano em que a maioria veio de França (3.500), Itália (3.100) e Reino Unido (3.100). “Estes aumentos foram em parte justificados com o regime fiscal favorável para os residentes não habituais aplicável a novos residentes fiscais”, diz a OCDE. Por outro lado, o número de autorizações de residência para a atividade de investimento (modalidade conhecida como ‘vistos gold’) também aumentaram em 2016 e 2017 “quando recuperaram dos atrasos depois da suspensão do programa em 2015 por causa de investigações judiciais a casos de corrupção”.

No que diz respeito à emigração, depois de um aumento entre 2010 e 2013, a saída de portugueses para viverem noutro país estabilizou em 2013, com um número estimado de 38.300 emigrantes permanentes e 58.900 temporários, em 2016.

“Foram apresentadas várias iniciativas para aumentar a atratividade de Portugal tanto para os estrangeiros como para os portugueses emigrados”, refere a OCDE.

A organização sublinha que 2016 foi o ano em que se assinalaram dez anos desde a entrada em vigor da Lei da Nacionalidade, “que facilitou a aquisição de nacionalidade portuguesa a crianças filhas de imigrantes nascidas em Portugal ou que chegaram ainda bebés”, acrescentando que entre 2008 e 2016, 225.000 pessoas adquiriram a nacionalidade portuguesa. “Em 2016, 29 mil pessoas adquiriram a nacionalidade portuguesa, mais 30% do que em 2015”, lê-se no relatório.

As referências a Portugal incluem ainda as alterações recentes feitas à Lei da Nacionalidade, mas também à Lei da Imigração, destacando as restrições na expulsão de imigrantes sem documentos, além de terem sido transpostas três diretivas europeias sobre as condições de entrada e permanência de residentes de países terceiros para trabalho sazonal.

Esta quinta-feira marca-se o Dia Mundial do Refugiado. Nesta data, “o mundo celebra a coragem e a resiliência de milhões de refugiados, numa altura em que as guerras e os conflitos civis se multiplicam e as necessidades superam, muitas vezes, a assistência oferecida a esta população tão vulnerável”, afirmou o Conselho Português para os Refugiados.

A UNICEF afirma que, atualmente, há cerca de 30 milhões de crianças deslocadas devido a conflitos. Desde a segunda Grande Guerra este número não era tão grande.

[A UNICEF lançou esta terça-feira uma campanha de sensibilização para a questão das crianças refugiadas]

*Notícia atualizada às 10h24 com informação de relatório da OCDE

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mmachado@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)