Catalunha

Separatistas catalães cortam laços formais com monarquia espanhola

108

O presidente do governo catalão, Quim Torra, afirmou que nem ele, "nem nenhum outro membro" do executivo regional assistirá a quaisquer atos oficiais organizado pela monarquia espanhola.

MARKUS HEINE/EPA

Autor
  • Agência Lusa

Os líderes políticos separatistas catalães mostraram esta sexta-feira o seu desprezo pelo rei de Espanha, anunciando que a partir de agora não irão convidar o monarca para nenhum evento oficial na região.

O presidente do governo catalão, Quim Torra, afirmou que nem ele, “nem nenhum outro membro” do executivo regional “assistirá a nenhum ato” oficial organizado “pela monarquia espanhola”, e também não convidará a casa real “a eventos organizados pela Generalitat (Governo regional)”.

A porta-voz do Governo de Madrid, Isabel Celaá, avisou esta tarde o presidente catalão que, se a Generalitat decide não convidar o rei para nenhum evento, não haverá problema para o monarca, mas sim para a Catalunha, significando que o executivo regional não representa toda a comunidade autónoma. Por outro lado, Torra anunciou que irá assistir esta noite à inauguração, em Tarragona, na Catalunha, dos Jogos do Mediterrâneo, um evento presidido pelo rei de Espanha, Felipe VI, que recusou na quinta-feira um encontro com o líder separatista à margem do evento.

O presidente da Generalitat queria falar com o rei sobre as pretensões dos separatistas e pedir explicações ao monarca pela sua posição contra o referendo de autodeterminação que se realizou na região em 01 de outubro de 2017 e que foi considerado ilegal pelas autoridades.

“Nós não somos súbditos, nós somos cidadãos”, disse Quim Torra, que irá a Madrid a 9 de julho próximo para uma reunião com o novo primeiro-ministro, o socialista Pedro Sánchez.

Os Jogos do Mediterrâneo são um evento desportivo celebrado por países banhados pelo Mar Mediterrâneo que se realizam de quatro em quatro anos em locais escolhidos previamente.

O governo separatista catalão liderado por Carles Puigdemont organizou a 1 de outubro de 2017 um referendo sobre a autodeterminação da Catalunha que foi considerado ilegal pelo Tribunal Constitucional. Os separatistas não aceitam essa interpretação sobre a consulta popular que consideram terem vencido com uma elevada maioria, depois de os partidos unionistas terem apelado ao seu boicote. O Governo central decidiu intervir diretamente na região no final de outubro de 2017 e organizou eleições regionais em 23 de dezembro do mesmo ano que voltaram a ser ganhas pelos partidos independentistas que continuam a insistir na autodeterminação da região.

O Partido Socialista Operário Espanhol, agora no Governo, sempre apoiou todas as decisões relacionadas com a Catalunha tomadas pelo anterior executivo do Partido Popular (direita).

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Nicolás Maduro

A Venezuela a ferro e fogo /premium

Diana Soller

Maduro tentará impor a sua vontade, agora que se sente verdadeiramente ameaçado. A oposição sentirá que não tem nada a perder. O que pode, efetivamente, degenerar numa guerra civil.

Web Summit

Explicações de verão /premium

Maria João Marques

Houve quem à esquerda, incluindo alguns deputados, propusesse proibir (o método do costume; é compulsivo) o convite a Le Pen. Mas claro que a expulsão de Alex Jones foi justíssima e motivo de aplauso.

Relações Internacionais

A nova economia política /premium

Manuel Villaverde Cabral

A imprensa diz que o FMI foi ultrapassado pelos acontecimentos e já se identificaram os países que poderão vir a estar na linha de mira dos especuladores. A única defesa de Portugal é a União Europeia

Nicolás Maduro

A Venezuela a ferro e fogo /premium

Diana Soller

Maduro tentará impor a sua vontade, agora que se sente verdadeiramente ameaçado. A oposição sentirá que não tem nada a perder. O que pode, efetivamente, degenerar numa guerra civil.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)