Catalunha

Separatistas catalães cortam laços formais com monarquia espanhola

108

O presidente do governo catalão, Quim Torra, afirmou que nem ele, "nem nenhum outro membro" do executivo regional assistirá a quaisquer atos oficiais organizado pela monarquia espanhola.

MARKUS HEINE/EPA

Autor
  • Agência Lusa

Os líderes políticos separatistas catalães mostraram esta sexta-feira o seu desprezo pelo rei de Espanha, anunciando que a partir de agora não irão convidar o monarca para nenhum evento oficial na região.

O presidente do governo catalão, Quim Torra, afirmou que nem ele, “nem nenhum outro membro” do executivo regional “assistirá a nenhum ato” oficial organizado “pela monarquia espanhola”, e também não convidará a casa real “a eventos organizados pela Generalitat (Governo regional)”.

A porta-voz do Governo de Madrid, Isabel Celaá, avisou esta tarde o presidente catalão que, se a Generalitat decide não convidar o rei para nenhum evento, não haverá problema para o monarca, mas sim para a Catalunha, significando que o executivo regional não representa toda a comunidade autónoma. Por outro lado, Torra anunciou que irá assistir esta noite à inauguração, em Tarragona, na Catalunha, dos Jogos do Mediterrâneo, um evento presidido pelo rei de Espanha, Felipe VI, que recusou na quinta-feira um encontro com o líder separatista à margem do evento.

O presidente da Generalitat queria falar com o rei sobre as pretensões dos separatistas e pedir explicações ao monarca pela sua posição contra o referendo de autodeterminação que se realizou na região em 01 de outubro de 2017 e que foi considerado ilegal pelas autoridades.

“Nós não somos súbditos, nós somos cidadãos”, disse Quim Torra, que irá a Madrid a 9 de julho próximo para uma reunião com o novo primeiro-ministro, o socialista Pedro Sánchez.

Os Jogos do Mediterrâneo são um evento desportivo celebrado por países banhados pelo Mar Mediterrâneo que se realizam de quatro em quatro anos em locais escolhidos previamente.

O governo separatista catalão liderado por Carles Puigdemont organizou a 1 de outubro de 2017 um referendo sobre a autodeterminação da Catalunha que foi considerado ilegal pelo Tribunal Constitucional. Os separatistas não aceitam essa interpretação sobre a consulta popular que consideram terem vencido com uma elevada maioria, depois de os partidos unionistas terem apelado ao seu boicote. O Governo central decidiu intervir diretamente na região no final de outubro de 2017 e organizou eleições regionais em 23 de dezembro do mesmo ano que voltaram a ser ganhas pelos partidos independentistas que continuam a insistir na autodeterminação da região.

O Partido Socialista Operário Espanhol, agora no Governo, sempre apoiou todas as decisões relacionadas com a Catalunha tomadas pelo anterior executivo do Partido Popular (direita).

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Descobrimentos

Uma lança em África /premium

P. Gonçalo Portocarrero de Almada

Neste tempo, em que muitos se orgulham do que os deveria envergonhar, também há quem se envergonhe das glórias da história de Portugal.

Política

Precisamos da Esquerda

António Pedro Barreiro

Na guerra cultural em curso, a nova Esquerda esqueceu o povo e assumiu a defesa da excentricidade das elites. Eu, que não sou de Esquerda, acho que uma outra Esquerda faz falta ao sistema político.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)