Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Ainda se lembra do asteroide interestelar com forma de charuto que foi descoberto em outubro do ano passado? Bem, parece que afinal não é um asteroide, mas um cometa. A suspeita surgiu porque `Oumuamua está a viajar a uma velocidade superior ao que seria expectável. Os resultados foram publicados esta quarta-feira na revista científica Nature.

`Oumuamua

Mostrar Esconder

`Oumuamua pronuncia-se como “oh-MOO-ah-MOO-ah”. Foi inicialmente descoberto com o telescópio Pan-STARRS instalado no Observatório Haleakala, no Hawai. É por isso que o seu nome é inspirado na língua nativa do Hawai. Significa “batedor” e reflete a sua origem interestelar.

ESO

`Oumuamua foi o primeiro objeto a entrar no sistema solar vindo de fora. Sabe-se lá quantos sistemas estelares terá atravessado ou em que ponto da galáxia se terá originado. Com uma novidade destas, os investigadores fizeram tudo o que podiam para tentar estudá-lo ao máximo. Com a combinação dos dados recolhidos pelo VLT (Very Large Telescope) do Observatório Europeu do Sul (ESO), do Telescópio Espacial Hubble, do Telescópio Canada-France-Hawaii e do Telescópio Gemini do Sul foi possível perceber que este astro se está a deslocar mais depressa do era previsível.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

“O ganho medido em velocidade é pequeno e o `Oumuamua ainda está a desacelerar devido à atração do Sol, mas não tão rapidamente como o previsto pela mecânica celeste”, refere o comunicado de imprensa do ESO.

Afinal é um cometa ou um asteroide? Quando foi detetado pela primeira vez, a 19 de outubro de 2017, pensou-se que seria um cometa. Pelo que se sabe sobre a formação de planetas, é mais provável ter cometas interestelares do que asteroides interestelares, refere um comunicado do Instituto de Astronomia da Universidade do Hawaii. Mas este objeto tinha um problema: os investigadores não detetaram a emissão de gases e poeiras comuns nos cometas. Apesar de ter um núcleo em tudo semelhante ao de um comenta, como não havia formação de coma e cauda com esta nuvem de gases e poeiras, teria de ser um asteroide. Além disso, com o tamanho aproximado de um campo de futebol, `Oumuamua é anormalmente pequeno para ser um cometa.

‘Oumuamua: parece um charuto gigante e é o primeiro visitante observado do sistema solar

Se fosse um asteroide, seria expectável que a velocidade abrandasse devido à força da gravidade exercida pelo Sol e pelos planetas do sistema solar, mas isso não está a acontecer, pelo menos não como seria suposto. De todas as hipóteses testadas, a mais aceite foi a possibilidade de que a proximidade ao Sol tivesse feito com que o gelo à superfície derretesse e libertasse gases e partículas, provocando propulsões que justificassem o ligeiro aumento de velocidade — a 1 de junho viajava a 114 mil quilómetros por hora. E isso é típico dos cometas.

“Pensamos que este objeto se trata afinal de um estranho cometa minúsculo”, diz Marco Micheli, líder da equipa e investigador na Agência Espacial Europeia. “Através dos dados vemos que o seu ’empurrão extra’ está a ficar mais fraco à medida que o objeto se afasta do Sol, o que é típico dos cometas.”

“Não observámos nem poeira, nem coma e nem cauda, o que é invulgar,” diz a co-autora do artigo Karen Meech, investigadora na Universidade do Hawai, que liderou a descoberta do objeto em 2017. “Pensamos que `Oumuamua possa estar a libertar grãos de poeira invulgarmente irregulares e grandes.”

E se pensa que `Oumuamua pode ser um nave espacial interestelar, os investigadores também têm resposta para isso. Uma nave tem, normalmente propulsores, o que faz com que a variação da velocidade não seja suave e contínua como está a acontecer com este objeto. Além disso, o objeto observado está a rodar em torno de três eixos, que é pouco provável que aconteça com um objeto artificial.

“A verdadeira natureza deste nómada interestelar enigmático poderá permanecer um mistério,” conclui Olivier Hainaut, membro da equipa e astrónomo no ESO. “O aumento de velocidade do `Oumuamua descoberto recentemente torna mais difícil descobrir qual o caminho que o objeto tomou desde da sua estrela progenitora até nós.” O facto de ser pequeno e difícil de observar também não tem ajudado os investigadores a identificar mais características sobre este astro. E à medida que se afasta do Sol, vai tornando esta tarefa cada vez mais impossível de concretizar.