Rádio Observador

Espaço

‘Oumuamua: parece um charuto gigante e é o primeiro visitante observado do sistema solar

306

A 19 de outubro, no Havai, os astrónomos julgavam estar a ver um cometa igual a tantos outros. Mas, afinal, era 'Oumuamua: o primeiro objeto interestelar a atravessar o nosso sistema solar.

Uma ilustração do primeiro visitante de fora da Via Láctea, a fazer lembrar um charuto gigante

No dia 19 de outubro, os astrónomos por detrás do telescópio Pan-STARRS 1, no Havai, julgavam estar a observar um asteróide, talvez até um cometa, que tinha originado no nosso sistema solar. Mas quando prestaram mais atenção à órbita, à luz e ao formato do objeto, perceberam que estavam enganados.

Aquela luz fraca a mover-se a uma velocidade estonteante era, afinal, um objeto que vinha de fora da Via Láctea. Mais do isso: segundo um estudo publicado na revista Nature, era o primeiro objeto de fora do nosso sistema solar a ser observado. Rapidamente, os astrónomos apontaram três telescópios ao achado – durante três noites – para tentar descobrir o que era antes de ter descolado a 85.700 milhas por hora.

Através de um comunicado, a líder da equipa de investigação explicou que o que descobriram foi “um rápido objeto rotativo, pelo menos do tamanho de um campo de futebol, que alternava o brilho de uma maneira dramática”. A CNN conta que o objeto interestelar, comprido e em forma de charuto, tem uma tonalidade escura, quase queimada, devido aos milhões de anos de radiação dos raios cósmicos. Este tom é parecido com o de alguns objetos encontrados no Cinturão de Kuiper, no exterior da Via Láctea, mas a órbita e o formato deste “charuto espacial” classificam-no claramente como um objeto interestelar.

Os astrónomos que conduziram a investigação acreditam que é composto por metal e gira sobre o seu próprio eixo a cada 7,3 horas. Mas a forma – é 10 vezes mais comprido do que largo – nunca tinha sido vista: os objetos espaciais mais compridos alguma vez observados eram apenas três vezes mais compridos do que largos.

O objeto interestelar, o primeiro a ser assim nomeado, foi oficialmente designado como A/2017 UI pela International Astronomical Union, que criou a categoria depois da descoberta. Mas o “charuto” tem outro nome: ‘Oumuamua. O nome havaiano, que deriva parcialmente do lugar onde o telescópio se encontrava aquando da primeira observação, significa “uma mensagem que chega de um passado distante”. Em comunicado, a NASA explicou que “durante décadas teorizámos sobre a existência de objetos interestelares, e agora – pela primeira vez – temos provas diretas de que existem. Esta descoberta histórica abre uma nova janela para o estudo da formação de sistemas solares para além do nosso”.

Mas de onde é que ele vem? Os astrónomos sabem que quando a Via Láctea se formou, espalhou asteróides e cometas devido às órbitas dos planetas maiores. Por isso, faz sentido que outros sistemas solares estejam a fazer exatamente a mesma coisa e que este objeto carregue os segredos da formação de outros sistemas planetários. Quanto à rota, os cientistas acreditam que está a viajar pela nossa galáxia há milhões de anos, sem estar associado a qualquer sistema solar, até chegar até nós. Devido à velocidade, o ‘Oumuamua teria muito mais impacto em caso de colisão com a Terra do que qualquer objeto da Via Láctea.

Telescópios espaciais e terrestres vão continuar a monitorizar o objeto interestelar enquanto puderem. Neste momento, está a 124 milhões de milhas do planeta Terra – a distância entre Marte e Júpiter – mas a sua trajetória afastou-o de Marte. Vai passar por Júpiter em maio, Saturno em janeiro de 2019 e depois sair da Via Láctea, rumo à constelação Cavalo Alado.

Depois de observar e detetar este primeiro visitante de fora do nosso sistema solar, os astrónomos esperam agora encontrar muitos mais e descobrir os seus segredos.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)