Rádio Observador

Jornadas Parlamentares PS

António Costa. “Geringonça” é para durar, mas sem “eleitoralismos”

203

Costa viu-se obrigado a repetir que não está arrependido, nem tem vontade de mudar. A "geringonça" é para continuar, mas com avisos: não se pode comprometer a "estabilidade" com "eleitoralismos".

JOÃO PORFÍRIO/OBSERVADOR

Como no amor, a política também tem limites. António Costa garante que vai trabalhar pela “continuidade” da relação que manteve nos últimos três anos com o Bloco e o PCP e Os Verdes, mas também traça a sua fronteira: “Não será seguramente por ser ano de eleições que vamos sacrificar a boa governação com eleitoralismos.”

Nas jornadas parlamentares dos socialistas, o secretário-geral tirou a gravata, mas não despiu o casaco de primeiro-ministro. É o PS, defende, o eixo central de uma relação a quatro que deu frutos na atual legislatura e que até pode continuar a dar de 2019 em diante. Basta, ressalva, que todos se mantenham em sintonia. “Não vai ser seguramente por ser o último ano da legislatura que vamos por em causa tudo o que conquistamos duramente ao longo desta legislatura”, disse António Costa numa sala cheia de deputados do PS, com vista para o Alqueva, no segundo dia de jornadas parlamentares do partido.

Num momento em que Bloco e PCP cerram fileiras e dramatizam o discurso — Jerónimo de Sousa já diz que “o mito acabou” —, o líder socialista lembra que “o mundo não acaba com esta legislatura, mas começa logo com outra legislatura”. É preciso olhar mais à frente, para lá das legislativas do próximo ano, avisa. Na carta de compromisso que quis dedicar aos parceiros de coligação, Costa destaca a importância da “confiança”. Neste caso, confiança de quem olha de fora para o entendimento a quatro. “O país não está à espera nem a desejar qualquer mudança, o que quer é continuidade na prossecução desta política”, defende.

PSD não tem “lepra” mas não é alternativa

A preparação do Orçamento do Estado para 2019 está aí. E é o último, a derradeira prova de fogo da relação antes de os partidos irem de novo a votos para serem avaliados naquilo que foram os últimos anos de governação. Costa lembra, por isso, aos seus parceiros: “É preciso que todos provemos bem nesta solução nesta legislatura para todos merecermos ter continuidade desta solução de governo na próxima legislatura”.

Há três meses, o primeiro-ministro estava otimista. Afinal, depois de três orçamentos do Estado negociados e aprovados com os partidos da esquerda parlamentar, estava aberto o caminho para uma quarta ronda de negociações. “Vamos negociar o Orçamento do Estado para 2019 da mesma forma que negociámos o de 2018, o de 2017 e o de 2016, com uma enorme vantagem em relação aos anteriores: é que à quarta é muito mais fácil do que à primeira, já nos conhecemos melhor, já temos boas razões para confiar mais uns nos outros”, dizia à deputada Heloísa Apolónia num debate quinzenal.

Esse discurso mudou. “Não vi até agora nenhum orçamento que tenha sido fácil, mas também não vi nenhum que tenha sido impossível e tenho a certeza de que este, sendo mais fácil ou mais difícil, também há de ser possível”, disse. “Não acredito que PEV, PCP e BE queiram por em causa aquilo que tem sido sucesso desta solução governativa, e se já provámos a quem tinha medo desta solução governativa que é possível governar bem (…), porque é que iríamos, no último ano da legislatura, por em causa aquilo que já provámos em três orçamentos sucessivos que é possível?”

Para a direita, o discurso é outro. É que, diz Costa, “as governações de Bloco Central não são boas para democracia”. E “não é porque o PSD tenha lepra, é porque a democracia é feita escolhas” e, para isso, é preciso que haja “alternativas”. E Rui Rio não é alternativa a Jerónimo de Sousa e a Catarina Martins.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Eleições

Eis o social - ismo

Luís Areias

O mais grave é que, tipicamente, o Estado não só não se preocupa em economizar, pois os recursos não foram ganhos com suor mas sim tirados coercivamente aos contribuintes, como nunca maximiza o valor.

Eleições Legislativas

Afluir de Rio em Costa instável

Gonçalo Sobral Martins
133

O líder do PSD fez ver que Portugal não soube aproveitar uma conjuntura externa extraordinária: apesar dos juros do BCE e do crescimento económico da zona-euro, nada melhorou substancialmente.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)