É um dos lançamentos mais aguardados do ano. Tanto que alguém (mais ansioso?) decidiu-se a lançá-lo quase três meses antes do previsto. Falamos do segundo modelo originalmente DS, o 3 Crossback, SUV compacto que era suposto conhecermos apenas na próxima edição do Salão de Paris, a decorrer entre os dias 4 e 14 de Outubro.

Sucede que os senhores que tratam das patentes “deixaram sair” cinco imagens altamente reveladoras de como a marca francesa pretende vir a fazer frente aos seus rivais, neste subsegmento onde já pontuam propostas como o Audi Q2 ou o Mini Countryman.

Quando as únicas referências que tínhamos eram que este modelo iria dar seguimento ao estilo inaugurado por concepts como o Divine (2014) e DS E-Tense (foto), eis que as imagens agora divulgadas revelam uma receita que aposta na continuidade, pois se por um lado o futuro DS3 Crossback revela influências do actual DS3, por outro, não esconde a inspiração no DS7 Crossback, o que é particularmente evidente na frente e na traseira.

Na secção dianteira, o DS3 Crossback destaca-se pela enorme grelha, que segue o mesmo estilo do “irmão maior”, com bordos de aspecto tridimensional, que deverão ser na mesma cor da carroçaria nas versões mais básicas, ou cromados, nas versões de topo. O desenho das ópticas é distinto do DS7 Crossback, mantendo-se contudo o esquema de iluminação diurna por LED, embora mude a curva na linha vertical. Atrás, semelhante raciocínio, com o SUV compacto a herdar a barra horizontal que liga os farolins, mas deslocando a matrícula para o pára-choques, em vez de coloca-la no portão da bagageira. Já quando observado de perfil, a identidade é claramente DS3. Embora estejamos perante um cinco portas de dimensões contidas, as linhas mestras do design não abdicam do pilar central tipo “barbatana de tubarão”, nem da linha descendente do tejadilho, tão em voga actualmente.

Por dentro, a DS deverá apostar todas as fichas na sofisticação, pelo que é de esperar acabamentos em pele com costuras, painel de instrumentos digital e extras como a possibilidade de arranque à distância, através de um smartphone. Certo, por estes desenhos, é que se mantém o padrão de diamante na consola central para acomodar diferentes comandos, surgindo um ecrã sensível ao toque para operar o sistema de infoentretenimento.