Imigração Ilegal

Alemanha, Itália e Áustria querem reduzir imigração ilegal na União Europeia

Os governos da Alemanha, Itália e Áustria dizem estar empenhados em cooperar intensamente no sentido de "reduzir, se possível a zero," a imigração ilegal na União Europeia.

OPEN ARMS HANDOUT/EPA

Os governos da Alemanha, Itália e Áustria dizem estar empenhados em cooperar intensamente no sentido de “reduzir, se possível a zero,” a imigração ilegal na União Europeia.

As coisas são relativamente simples: os três (governos) concordam em pôr a situação em ordem” e “enviar uma mensagem clara de que no futuro não vai ser possível pisar solo europeu a não ser que se tenha direito a proteção”, disse o ministro austríaco do Interior, Herbert Kickl, antes da reunião com os homólogos italiano e alemão.

Trata-se de um encontro tripartido que reúne ministros da Justiça e do Interior dos executivos da Alemanha, Áustria e Itália, que decorre esta quinta-feira na cidade austríaca de Innsbruck, e que analisa a questão da “imigração ilegal”.

Mais tarde, os representantes dos 28 países reúnem-se num Conselho Informal da União Europeia sobre a questão migratória e que deve discutir, entre outros pontos, a proposta dos ministros de Berlim, Roma e Viena.

O encontro desta quinta-feira entre a Alemanha, Itália e Áustria pretende “travar o máximo possível a imigração até ao ponto zero”, disse Herbert Hickl que anunciou a realização de uma reunião de “caráter técnico” e que vai reunir representantes dos três países no próximo dia 19 de julho em Viena.

Por parte de Itália, Matteo Salvini, disse que a “partir deste momento” os três países vão trabalhar em conjunto para “reduzir as partidas (de fora da Europa), os desembarques em território europeu e as mortes (no Mediterrâneo)”.

Salvini acrescentou que a Itália não “pode continuar a ser o único ponto de chegada de refugiados” e que Roma precisa de “reduzir o problema, os custos económicos e sociais da imigração” que não podem continuar a ser sustentados pelo país.

O alemão Horst Seehofer frisou que “não são os traficantes de seres humanos quem decide que países devem acolher as pessoas” nem quais são os Estados que devem conceder o estatuto de asilo.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)