A Alta-representante da União Europeia para a Política Externa e Segurança, Federica Mogherini, e o enviado especial da ONU para a Líbia, Ghassam Saleme, analisaram este sábado o processo de reconciliação líbio, durante a inauguração da embaixada da UE em Tripoli.

Segundo comunicados, divulgados respetivamente pela UE e pela ONU nas redes sociais, os dois diplomatas estiveram reunidos com responsáveis do Governo líbio, que é apoiado pelas Nações Unidas, no novo edifício, localizado numa área restrita de segurança da capital.

“A UE é o principal provedor de ajuda humanitária à Líbia, o principal sustentáculo dos programas da ONU, o principal doador bilateral, assim como o principal parceiro económico”, afirmou Federica Mogherini.

“O regreso da presença diplomática da UE na Líbia fará com que essa cooperação se fortaleça com o Governo, os responsáveis da ONU a nível local e a implementação de projetos no terreno”, afirmou em comunicado a diplomata.

Mogherini voltou a afirmar o apoio da UE ao plano proposto por Saleme, que pretende celebrar eleições presidenciais e legislativas nos próximos meses, e sublinhou a necessidade de que se realizem “sobre sólidas bases legais e constitucionais”. O Governo de Tripoli é liderado por Fayez al Sarraj, e apenas controla parte do oeste do território líbio.