Língua Portuguesa

Cabo Verde acolhe conferência internacional sobre futuro da língua em 2019

121

Cabo Verde vai acolher em 2019 uma conferência sobre o futuro da língua portuguesa no sistema mundial, segundo declaração aprovada na cimeira da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP).

JOAO RELVAS/LUSA

Cabo Verde vai acolher em 2019, na cidade da Praia, uma conferência sobre o futuro da língua portuguesa no sistema mundial, segundo declaração aprovada esta quarta-feira na cimeira da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP).

Durante a cimeira, que termina esta quarta-feira na cidade de Santa Maria, na ilha do Sal, Cabo Verde manifestou a sua disponibilidade para acolher IV Conferência Internacional sobre o Futuro da Língua Portuguesa no Sistema Mundial, prevista para o próximo ano, na capital cabo-verdiana.

Na mesma declaração, os Estados-membros da CPLP são incentivados a desenvolver “um maior esforço na divulgação da língua portuguesa” nomeadamente através das metodologias de ensino mais adequadas. O Instituto Internacional de Língua Portuguesa (IILP) é encorajado, no mesmo texto, a “criar mecanismos” para a “constituição de uma plataforma multilateral de captação de fundos internacionais para a investigação científica sobre a Língua Portuguesa”. Promover uma maior divulgação do Vocabulário Ortográfico Comum da Língua Portuguesa na comunidade é outras das recomendações saídas da cimeira.

Durante a XII conferência de chefes de Estado e de Governo da CPLP, que decorreu esta terça e quarta-feira, Cabo Verde assumiu a presidência rotativa da organização, por um período de dois anos, e com o lema “Cultura, Pessoas e Oceanos. Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Guiné Equatorial, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste são os Estados-membros da CPLP.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Governo

Fomos aldrabados

Fernando Leal da Costa

Finanças “sãs” não se podem construir à custa da perda do direito à proteção da saúde da população, mas o saldo deste governo são piores serviços, pior acesso, falta crónica de dinheiro e mais dívida.

Educação

Estado-educador e Estado-cultura, em marcha?

Mário Pinto

Não existe uma educação para a cidadania única e institucional. Há várias concepções de cidadania, mesmo como concepções de vida democrática, pois há pluralismo social e cultural, ou moral e religioso

NATO

Os 70 anos da NATO, vistos da Europa


João Diogo Barbosa

Não só o “exército europeu” se tornou um dos temas essenciais para o futuro, como foi possível, pela primeira vez, a aprovação de um Programa Europeu de Desenvolvimento Industrial no domínio da Defesa

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)