No dia 1 de julho de 2016, data do 110.º aniversário do Sporting, o dia começou com uma “baixa” no clube: através da sua página pessoal do Facebook, João Benedito anunciou o final de uma carreira de duas décadas como guarda-redes e capitão do futsal verde e branco e da Seleção Nacional. A notícia, nem tanto pelo conteúdo em si mas sobretudo pela forma como foi transmitida, acabou por cair como uma “bomba” mas sem grandes réplicas ou desenvolvimentos: o antigo internacional ocupou um lugar na bancada, continuou a participar na vida ativa em Assembleias Gerais ou reuniões de grupos ligados aos leões, foi estando atento com raríssimas intervenções públicas. Esta quinta-feira, 749 dias depois, voltou a trocar de papel e apresentou-se como o oitavo candidato confirmado às eleições do próximo dia 8 de setembro.

Ainda como jogador de futsal, Benedito formou-se em Gestão, chegou a trabalhar no clube em paralelo com a vida de atleta, investiu no imobiliário, criou uma empresa de personalização têxtil, lançou uma marca desportiva com outro sócio para um nicho mais virado para as modalidades de pavilhão. Agora, o miúdo que ia para antiga porta 10A pedir autógrafos a nomes fortes do futebol no final dos anos 80 como Damas, Paulinho Cascavel, Silas ou Virgílio e o atleta que ganhou nove Campeonatos, quatro Taças de Portugal e quatro Supertaças entre 1995 e 2016 (com passagem de um ano por Espanha, no Playas Castellón) quer vestir outro papel e liderar o clube, como outros exemplos que mostrou no vídeo de apresentação da candidatura como Salazar Carreira, atleta (com sucesso) em várias modalidades do clube antes de assumir a presidência.

Agora é de vez. João Benedito apresenta quinta-feira candidatura à presidência do Sporting

Numa conferência realizada numa unidade hoteleira de Lisboa, e que inicialmente chegou a ser pensada para o auditório Artur Agostinho em Alvalade, João Benedito deu a conhecer os primeiros nomes das listas candidatas aos órgãos sociais e com três membros da Direção: Pedro Miguel Moura, atual presidente da Federação de Ténis de Mesa e ex-atleta do Sporting; Ricardo Andorinho, estrela do andebol leonino e nacional nos anos 90; e Carlos Pereira, ex-jogador e treinador adjunto do Sporting, irmão de Aurélio Pereira. Os três serão vice-presidentes do Sporting caso a candidatura de João Benedito vença.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

“Tenho a honra, o orgulho e o privilégio de ter comigo três candidatos a vice que fazem parte da história do clube e que comigo querem construir a história do clube”, disse o oitavo candidato nesta corrida, continuando: “Sabemos ganhar, a nossa história enquanto atletas profissionais dá-nos a confiança para construir um projeto desportivo desde a base até ao topo”, afirmou. “Sabemos unir. Em mais de mil jogos aos serviço do Sporting, sentimo-nos invencíveis quando todos estavam ao nosso lado e vulneráveis quando tal não aconteceu. Não se une o Sporting com chavões, une-se com vitórias e com valores“, atirou.

“Lideraremos pelo exemplo, raça e valores do nosso clube. Se alguém tem dúvidas sobre a manutenção de um rumo acertado, connosco podem ter a certeza de que o que está bem não será alterado. Não me candidato para mudar o que está bem, como: a aposta nas modalidades, manutenção do controlo da SAD pelo clube, o crescimento da militância, a angariação de milhares de novos sócios, a introdução da tecnologia no futebol ou na luta pela verdade desportiva“, afirmou numa ideia que visou separar as águas entre o que foi feito de bom e de mau na era Bruno de Carvalho, continuando: “Este rumo esteve e continuará a estar certo. Queremos um Sporting independente com controlo maioritário da SAD. Queremos um Sporting que se lance no futuro sem âncoras no passado, com ideias e projetos, sem sportinguistas mais notáveis do que outros”.

Com Varandas e Benedito, que espaço ainda resta no eleitorado do Sporting para as outras listas?

Com o lema “Raça e Futuro”, o ex-guarda-redes apresentou também o seu manifesto eleitoral e o seu programa que, ao longo de 30 páginas (que pode ser consultado aqui), destaca cinco grandes pontos:
* Cultura Sporting: Atletas e Treinadores; Formação; Sporting Performance; Sporting School; Responsabilidade Desportiva.
* Gestão Sporting: Modelo de Governance; Financeira; RH; Solidariedade e Responsabilidade Social; Seguros.
* Família Sporting: Sócios e Adeptos; Núcleos e Filiais; Grupos de Adeptos; Grupos Organizados de Adeptos.
* Marca Sporting: Direção Comercial e Marca; Eventos; Jogo; Museus; Estádio e Infraestruturas.
* Títulos Sporting: Futebol; Modalidades.

“Connosco, não haverá sócios de primeira nem de segunda; somos e seremos todos iguais, enquanto sócios do Sporting”, garantiu, João Benedito, virando-se para as modalidades: “Não temos a mínima intenção de acabar com qualquer modalidade. Queremos, de forma responsável, garantir a continuidade das enormes alegrias que vivemos a época passada. Em vez de criarmos modalidades só porque sim, queremos dar condições às já existentes. O sucesso desportivo é o motor da estabilidade financeira e institucional“, defendeu.

No que diz respeito à gestão do Sporting, João Benedito defendeu a ideia de uma “figura de CEO transversal no clube e na SAD, responsável por otimizar recursos”. Para o futebol, o oitavo candidato à presidência do Sporting anunciou que conta com o apoio de um ex-atleta campeão pelo clube para o papel de diretor desportivo.