Desemprego

Vieira da Silva admite que desemprego anual possa ficar abaixo das estimativas do Governo

O ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social destacou a diminuição "muito significativa" da taxa de desemprego, admitindo que a taxa anual poderá ficar abaixo da estimada pelo Governo.

ANTÓNIO PEDRO SANTOS/LUSA

O ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Vieira da Silva, destacou esta segunda-feira a diminuição “muito significativa” da taxa de desemprego, admitindo que a taxa anual poderá ficar abaixo da estimada pelo Governo.

O Instituto Nacional de Estatística (INE) reviu em baixa a taxa de desemprego de maio para os 7%, valor mínimo desde outubro de 2002, estimando para junho uma nova descida para os 6,7%. O valor apurado em maio representa uma descida de 0,1 pontos percentuais face ao mês anterior, menos 0,6 pontos percentuais em relação a três meses antes e uma queda de 2,2 pontos percentuais face ao mesmo mês de 2017.

“Há todas as expectativas para podermos vir a ter um valor anual que seja inferior àquele que o Governo estimou”, disse o governante em declarações à agência Lusa após a divulgação dos dados do INE. Em abril, o Governo estimou no Programa de Estabilidade que a taxa de desemprego se fixasse nos 7,6% em 2018, longe dos 8,9% de 2017 e abaixo dos 8,6% estimados no Orçamento do Estado para 2018.

Segundo Vieira da Silva, os dados do INE vêm confirmar os elementos da Segurança Social e do Instituto do Emprego “da continuação de uma significativa criação de emprego e diminuição do número de desempregados”. “Essa diminuição da taxa de desemprego é feita principalmente pela criação de emprego. O emprego cresce substancialmente e cresce mais do que a diminuição do desemprego. É um sinal extremamente positivo estes dados confirmarem uma descida da taxa de desemprego em maio”, disse o ministro do Trabalho, escusando-se para já a comentar a nova descida estimada para junho pelo INE, uma vez que se tratam ainda de dados ainda provisórios.

A população desempregada de maio foi estimada em 362,8 mil pessoas, tendo diminuído 1,4% em relação ao mês precedente (menos 5,1 mil pessoas), enquanto a população empregada foi estimada em 4.791,8 mil pessoas, tendo aumentado 1,7 mil (a que corresponde uma variação relativa quase nula) relativamente ao mês anterior.

A estimativa provisória da taxa de desemprego de junho de 2018 situou-se em 6,7%. Neste mês, estima-se que a população desempregada tenha sido de 347,1 mil pessoas e a população empregada de 4.805,0 mil pessoas, refere o INE. As taxas de desemprego dos jovens e dos adultos foram estimadas em 19,6% e 5,8% respetivamente, tendo ambas diminuído em relação a maio (0,9 e 0,2 pontos percentuais, respetivamente), acrescenta.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
China

Vamos mesmo ignorar isto? /premium

Sebastião Bugalho

A Europa assumiu pela primeira vez que o expansionismo da China representa uma ameaça para o continente e os jornais portugueses, que tão competentemente cobriram a visita de Xi, não fazem perguntas?

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)