Rádio Observador

Crime Informático

Depois da “Baleia Azul”, a “Momo”, o novo fenómeno online na mira das autoridades

1.036

Um ano depois da "Baleia Azul", as autoridades estão preocupadas com a "Momo", uma personagem fictícia online que rouba informações a crianças e jovens e pode até incentivar ao suicídio.

Quando se adiciona um determinado número na lista de contactos, surge esta imagem e o contacto envia mensagens violentas.

Mais de um ano depois do surgimento dos primeiros casos de suicídio relacionados com o jogo “Baleia Azul“, há um fenómeno online a preocupar as autoridades em vários países. Trata-se da “Momo”, uma personagem fictícia que fala com crianças e jovens na aplicação WhatsApp e que chega a convencê-los a partilhar dados e informações pessoais, envia mensagens violentas e pode mesmo incitar ao suicídio. Segundo a edição brasileira da BBC, que conta a história, já há casos registados em todo o continente americano, da Argentina aos Estados Unidos, e também na Europa, designadamente na França e na Alemanha.

O funcionamento é muito simples: um número de telefone é disseminado por grupos nas redes sociais; quem o adicionar à lista de contactos, verá surgir na sua aplicação WhatsApp um contacto com a fotografia de uma estátua sorridente assustadora, de origem japonesa; se o utilizador enviar uma mensagem a esse contacto, começa a receber respostas violentas e ameaças.

“Tudo começou num grupo de Facebook onde os participantes eram desafiados a comunicar com um número desconhecido”, segundo as autoridades do México (país onde surgiu o fenómeno) citadas pela BBC. “Vários utilizadores disseram que, se enviassem uma mensagem à Momo do seu telemóvel, a resposta vinha com imagens violentas e agressivas. Aliás, há quem afirme que teve mensagens respondidas com ameaças”, acrescentaram as mesmas autoridades.

As autoridades de vários países estão a deixar alertas sobre o fenómeno. Aqui ao lado, em Espanha, a Guardia Civil já emitiu um aviso a pedir aos jovens que não adicionem o número de telemóvel. “Não adiciones a Momo. Se gravas na tua agenda o número +8143510*** vai aparecer-te um estranho rosto de uma mulher”, lê-se numa publicação da Guardia Civil, que explica que este é o último fenómeno viral “da moda entre os adolescentes”.

O início da “Momo” ainda está por identificar, mas sabe-se para já que há cinco números de telemóvel associados ao fenómeno. Três deles com indicativo +81, do Japão; um com indicativo +52, da Colômbia; e um outro com indicativo +57, do México. Mas segundo um especialista da organização Safernet, que está a monitorizar a “Momo” consultado pela edição brasileira da BBC, a quantidade de números de telemóvel associados está a aumentar.

Segundo as autoridades, trocar mensagens com estes números de telemóvel resulta quase sempre em extorsão e em roubo de informações privadas — que depois podem ser utilizadas de forma criminosa –, mas também em assédio e incitação ao suicídio e à violência, podendo terminar em transtornos físicos e psicológicos.

Em abril do ano passado, surgiram os primeiros casos do jogo “Baleia Azul”, um outro fenómeno na Internet que incitava crianças e jovens a cumprirem uma série de desafios que terminavam frequentemente com o suicídio.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Igualdade de Género

Género: igualdade ou ideologia?

Diogo Costa Gonçalves

Se estamos perante uma (nova) visão antropológica, porquê qualificá-la como ideologia? Porque tal ideia pré-concebida vive em constante tensão com a realidade empírica, começando pela própria biologia

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)