Bruno de Carvalho demorou menos de uma hora a reagir à suspensão de um ano como sócio aplicada pela Comissão de Fiscalização do Sporting, aproveitando a inauguração da sede de campanha nos Restauradores para dizer que “o email foi para o spam” e que irá avançar com “várias providências cautelares” para contestar a decisão tomada “por um órgão ilegal”. Carlos Vieira, antigo vice do presidente destituído que assumiu também uma candidatura ao sufrágio de 8 de setembro e que foi sancionado com dez meses tal como outros membros do Conselho Diretivo que integram agora a sua lista (Rui Caeiro, Luís Gestas e José Quintela), comentou esta sexta-feira o castigo mais “a frio” mas com um ponto em comum: irá estudar todas as formas para recorrer e poder ir a votos.

Bruno de Carvalho e Carlos Vieira suspensos de sócios e afastados das eleições do Sporting

Destacando trata-se de uma decisão “injustificada, injusta e inapropriada” por parte de um órgão que foi nomeado “sem ter a legitimidade do voto dos sócios do Sporting”, Carlos Vieira e os restantes signatários do comunicado acusam mesmo a decisão de “cumprir uma missão persecutória”, destacando, por exemplo, as fugas de informação ainda antes dos próprios saberem das medidas tomadas ou serem notificados das mesmas, “como ontem [quinta-feira] voltou a ficar demonstrado”.

“Foi o principal artífice e responsável da situação grave criada”: as razões para a suspensão de Bruno de Carvalho

“Ainda esta semana, em sede de audição, foram explicados e adicionados elementos probatórios em que os visados pautaram as suas decisões suportadas em pareceres jurídicos, ou seja, pela informação que lhes era prestada e não sendo os mesmos juristas, atuaram sempre de boa-fé na consciência da bondade das suas deliberações que visaram sempre o normal funcionamento do clube e dos seus órgãos sociais, pelo que se estranha e condena esta decisão da CF”, salientam, antes de assegurarem que “existem mecanismos legais que podem reverter esta decisão”. “Num Estado de Direito em que vivemos e que acreditamos, seja nos tribunais ou numa futura Assembleia Geral de sócios (porque são eles o maior ativo do clube), estamos certos que veremos os nossos elementares direitos serem reconhecidos e a ser feita justiça”, conclui a missiva.

Carlos Vieira, o ex-número 2 que quer passar a líder do Sporting secundarizando a figura do antigo número 1

Na íntegra, aqui fica o comunicado emitido esta sexta-feira pela candidatura “Sporting Primeiro”.

“Face à informação divulgada amplamente na comunicação social sobre o Relatório Final e a Decisão do Processo Disciplinar instaurado aos anteriores membros do Conselho Diretivo por parte da Comissão Fiscalizadora do Sporting Clube de Portugal confirmamos que rececionámos posteriormente o mesmo que nos merece as seguintes considerações:

– Trata-se de uma decisão injustificada, injusta e inapropriada;

– É uma deliberação tomada por uma Comissão de Fiscalização nomeada, sem ter a legitimidade do voto dos Sócios do Sporting Clube de Portugal;

– Mais que o apuramento da verdade dos factos fica a ideia de esta decisão cumprir uma missão persecutória, como as sucessivas e orientadas fugas de informação para a comunicação social vieram revelando, como ontem ficou uma vez mais demonstrado, com a comunicação social a ser informada antes mesmo dos visados serem notificados da decisão;

– Ainda esta semana, em sede de audição foram explicados e adicionados elementos probatórios em que os visados pautaram as suas decisões suportadas em pareceres jurídicos, ou seja, pela informação que lhes era prestada e não sendo os mesmos juristas, atuaram sempre de boa-fé na consciência da bondade das suas deliberações que visaram sempre o normal funcionamento do clube e dos seus órgãos sociais pelo que se estranha e condena esta decisão do CF;

– Parece que houve o intuito de impedir que sócios que muito deram ao clube pudessem cumprir o seu direito legítimo de associados e de se candidatarem ao próximo ato eleitoral de 8 de Setembro. No entanto, existem mecanismos legais que podem reverter esta decisão, pelo que iremos estudar com os nossos advogados essa possibilidade;

– É nossa firme intenção que Carlos Vieira, e os subscritores deste comunicado, possam ver-lhes devolvidos os seus legítimos direitos de Sócios do Sporting Clube de Portugal. Assim, e face ao forte incentivo e apoio que temos tido, é nossa firme intenção, que o projeto ‘Sporting Primeiro’, possa ser sufragado pelos sócios no dia 8 de setembro.

– Num Estado de Direito em que vivemos e que acreditamos, seja nos tribunais ou numa futura Assembleia Geral de Sócios (porque são eles o maior ativo do clube) estamos certos que veremos os nossos elementares direitos serem reconhecidos e a ser feita justiça.

Carlos Vieira
Rui Caeiro
José Quintela
Luis Gestas