Mais de 200 aves protegidas, entre pintassilgos, pintarroxos e bicos de lacres, foram apreendidas na tradicional Feira dos Pássaros do Porto na manhã deste domingo por uma operação da PSP, de onde resultaram ainda duas detenções.

Em declarações à Lusa, Rui Amaral, da Brigada de Proteção Ambiental da PSP do Porto, explicou que muitos vendedores não apareceram este domingo na Feira dos Passarinhos devido ao calor, mas apesar das temperaturas altas, a operação policial resultou na apreensão de “210 pássaros” e na detenção de duas pessoas.

Durante a operação levada a cabo na zona das Fontainhas, Baixa do Porto, a PSP, com o apoio da Polícia Municipal do Porto de funcionários do Instituto de Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF), deteve duas pessoas que se encontravam a comercializar aves de espécies legalmente consideradas protegidas.

A operação policial para fiscalizar a comercialização ilegal de espécies de aves protegidas começou pelas 08:h0 com as equipas policiais a concentraram-se em Vila Nova de Gaia e seguirem depois para as Fontainhas.

O objetivo depois da apreensão das aves é a “libertação” daqueles pássaros protegidos, diz Rui Amaral, referindo que as 210 aves apreendidas este domingo na Feira dos Pássaros do Porto foram colocadas em liberdade a partir do Parque Biológico de Gaia, em Avintes.

“É a segunda operação deste género este ano no Porto”, disse Rui Amaral.

Em fevereiro deste ano, a PSP deteve três pessoas por venda ilegal de aves e apreendeu 115 aves entre pintassilgos, lugres, hibridos, pegas e estorninhos.

Os dois detidos este domingo vão ser ouvidos pelas autoridades para conhecerem as medidas de coação.

A moldura penal para este tipo de crime pode ir até dois anos de prisão.