A matemática é simples: dos 19 membros da Família Real japonesa, apenas cinco são do sexo masculino. E entre os cinco homens da Família Real está o atual imperador Akihito, de 83 anos, que irá abdicar em 2019. Numa casa imperial com regras que determinam que o trono é exclusivamente para homens, garantir a sucessão dinástica começa a tornar-se um problema. Isso mesmo relembrou esta semana o jornal El País, que se debruçou sobre a “crise demográfica sem precedentes” que a família real do Japão atravessa.

A situação é particularmente aguda já que a casa imperial japonesa determina que todas as mulheres da família real que casem com plebeus são forçadas a abdicar dos seus direitos reais. Isso significa que, por um lado, possam a poder votar como qualquer cidadão comum, mas também se traduz no fim do sustento financeiro por parte da casa imperial. É o que irá acontecer à princesa Ayako, cujo noivado com o empresário Kei Moriya será formalizado este domingo. E quando a princesa Mako, que está também noiva, finalmente se casar, o número de membros da família real ficará então reduzido a apenas 17.

Como se não bastasse, as restantes mulheres que compõem a família estão igualmente em idade de casar (com exceção da adolescente princesa Aiko, de 16 anos), como relembra o Japan Times.

“O tema das fileiras minguantes da família imperial irá tornar-se cada vez mais sério com a passagem do tempo”, escreve o jornal nipónico de língua inglesa no editorial de julho. “Mas não há grande discussão sobre como resolver isto.”

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

O parlamento japonês abordou o assunto em junho do ano passado, quando aprovou a abdicação do Imperador Akihito. No documento de autorização da abdicação — a primeira no país desde 1817 —, a assembleia incluiu uma adenda onde se compromete a discutir seriamente a possibilidade de as mulheres da família real poderem manter o seu estatuto imperial mesmo casando com plebeus.

A possibilidade de uma mulher ascender ao trono, contudo, é mais remota, como explicou Ken Ruoff, diretor do Centro de Estudos Japoneses da Universidade do Estado de Portland à BBC em 2017: “Isto tem raízes no conceito de uma linha masculina de sangue intacta, na noção de que o que torna o Japão especial é o facto da sua linha imperial ter sido passada às gerações seguintes através duma linhagem masculina. Se acreditarmos na versão mística, é assim desde o Imperador Jimmu, em 660 A.C.” Esta lenda justifica para alguns a manutenção de um trono destinado apenas a homens. “Os nacionalistas agarram-se a isto e dizem que se a linha de sangue masculina se quebrar, então o Japão deixa de existir”, resume.

O Partido Liberal Democrático do primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe, tem uma fação conservadora que concorda com esta ideia, razão pela qual o Governo tem evitado discutir o tema. O maior partido da oposição, o Partido Democrático, defende que as mulheres podem tornar-se imperadoras. A maior parte da população aparentemente concorda: segundo uma sondagem publicada pela agência de notícias Kyodo no ano passado, 86% dos inquiridos apoiam a ideia de as mulheres poderem ascender ao trono.

Atualmente, com a abdicação do Imperador Akihito para breve, o príncipe Naruhito assume-se como o próximo pretendente ao trono. Naruhito, contudo, não tem filhos — o que significa que a linha de sucessão deverá depois passar para o seu irmão Akishino. Este príncipe tem apenas um filho rapaz, o pequeno Hisahito de 11 anos. Se Hisahito não tiver um filho varão, a linhagem ficará comprometida. “Uma família imperial reduzida poderia significar muito menos exposição ao público, uma questão que tem sido muito importante para reforçar o papel do Imperador como símbolo do Estados nos últimos anos”, alerta ao El País o antigo diplomata japonês Sadaaki Numata.

O especialista Ruoff explicou ao New York Times em 2017 que a estratégia da família real pode bem ser a de deixar a situação andar até não haver um herdeiro masculino de facto, forçando assim uma alteração que permita às mulheres ocuparem o trono.

“Parece um caminho interessante para dizer ‘adivinhem lá, já não há mais nenhum herdeiro, por isso temos de pegar em alguém que venha da linha de sangue feminina'”.

Isso mesmo parecem indicar as declarações do príncipe Akishino, segundo na linha de sucessão, sobre este tema: “Os tempos vão mudar. Penso que aquilo que é pedido [à Família Real] vai mudar connosco”, declarou, em finais do ano passado, segundo o Nikkei. “Não nos podemos esquecer disto.”