Rádio Observador

EMEF

EMEF terá unidades autónomas com Medway e Metro do Porto

Carlos Nogueira comentou que as novas 102 contratações para a EMEF dá um "efetivo incremento à capacidade de reparação, que tem de ser tempestiva para que os comboios possam circular".

Manuel Almeida/LUSA

A EMEF — Empresa de Manutenção de Equipamento Ferroviário vai criar unidades autónomas com parceiros como o grupo Medway, antiga CP Carga, e Metro do Porto, anunciou esta segunda-feira o presidente da CP-Comboios de Portugal, Carlos Nogueira.

Não é partir coisa nenhuma, é criar unidades autónomas, com parceiros, como estamos a fazer com a Medway, do grupo MSC” e também com o Metro do Porto, garantiu o responsável, recordando que se está a seguir o modelo de ACES — Agrupamentos Complementares de Empresas, aprovado pelo Governo.

Este modelo visa “salvaguardar os clientes [da EMEF], manter postos de trabalho e manter a sustentabilidade da EMEF (…) Não se vai partir coisa nenhuma, não há postos de trabalho ameaçados. Há uma atitude responsável, assente num racional de gestão bem pensado, bem refletido e que terá efeitos muito positivos a todos os níveis”, segundo o dirigente.

Carlos Nogueira comentou que as novas 102 contratações para a EMEF dá um “efetivo incremento à capacidade de reparação, que tem de ser tempestiva para que os comboios possam circular”. O responsável assinalou, porém, que “não se estalam os dedos e entram pela EMEF dentro” as novas contratações.

“É preciso recrutar, selecionar, admitir e formar ‘on job'”, já que o país não dispõe de mão-de-obra especializada, além de a empresa estar a registar muitas saídas de trabalhadores, ao abrigo das longas carreiras contributivas, explicou ainda o presidente, referindo que a falta de competitividade em termos de salários também não traz trabalhadores do setor privado à EMEF.

“Não se trata de qualquer lamúria, é assim que as coisas são”, rematou Carlos Nogueira, que referiu que estas situações são comunicadas ao acionista, que “é quem manda nas empresas e as administrações seguem orientações estratégicas do acionista”.

O acionista também “é quem nomeia e quem destitui as administrações”, acrescentou o dirigente, garantindo que “até agora não têm faltado meios nem financeiros, nem humanos”. “Os problemas são apresentados e são resolvidos”, assegurou.

À CP compete cumprir o objetivo de “assegurar a mobilidade dos passageiros em condições de segurança, que é um ativo fundamental deste negócio”.

Após uma visita a uma oficina da EMEF, detida a 100% pela CP, o dirigente notou também ser “inevitável mexer em horários, quando não se tem material circulante” e que as empresas têm de ajustar o modelo de exploração. “A manta é curta e milagres ainda não sabemos fazer na CP. Impossíveis vamos fazendo”, concluiu.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)