A administração da CP – Comboios de Portugal fez 124 nomeações na sequência da fusão com Empresa de Manutenção de Equipamento Ferroviário (EMEF), que ocorreu a 1 de janeiro de 2020. Esta reestruturação foi decidida em duas reuniões, que tiveram lugar no mês passado.

A notícia está a ser avançada pelo Correio da Manhã. De acordo com fonte da CP, citada pelo jornal, 90% dos nomeados já ocupavam cargos de chefia, pelo que estas pessoas foram “reconduzidas ou nomeadas para outras funções”.

Na primeira reunião, que ocorreu a 17 de janeiro, foram aprovadas as nomeações 40 dirigentes de 1º nível. As restantes 84 nomeações de dirigentes de segundo nível e adjuntos ocorreram durante uma segunda reunião, a 29 de janeiro.

Estas nomeações, envolvem dirigentes de 18 departamentos, começaram a ter efeito no passado dia 1 de fevereiro.

Num comunicado a propósito da notícia do Correio da Manhã, a CP esclareceu que foi “necessário fazer uma restruturação da empresa” depois da fusão entre a CP e a EMEF. “Esse processo de restruturação está a meio. No final o número total de chefias será inferior ao somatório das duas empresas antes da fusão“, lê-se no documento.

O impacto financeiro destas nomeações, refere ainda a mesma nota, só poderá ser avaliado no fim do processo, que está a ser acompanhado “pelas tutelas” — Ministérios das Finanças e das Infraestruturas e Habitação.

Artigo atualizado às 13h43 com o comunicado da CP