Rádio Observador

Decoração

Portuguese Makers. Vamos pôr as mãos na massa (e na cerâmica, nos sabonetes e nos lápis)

Fazer objetos com as mãos, aprendendo com quem sabe. A Portuguese Makers está de volta com uma semana de workshops onde o objetivo é pôr em prática o cada vez mais famoso "made in Portugal".

No ano passado os participantes aprenderam a fazer uma peça de cerâmica, este ano vão aprender a pintá-la. E esse é só um de quatro workshops.

Divulgação

Fazer um objeto para a secretária com a Viarco, pintar uma peça de cerâmica com a Vista Alegre ou até construir um candeeiro. Depois de uma primeira edição em 2017, a Portuguese Makers Craft Week está de volta com uma semana de workshops onde a regra é aprender com quem mais percebe do assunto e pôr as mãos na massa.

De 3 a 8 de setembro, Serralves será o palco da iniciativa que pretende chamar a atenção para o made in Portugal e “mostrar como as coisas são feitas” num país que sabe tão bem fazê-las. Quem o diz é Ana Bruto da Costa, metade da dupla (juntamente com o marido Vasco) que quis pôr uma Craft Week de pé quando percebeu, há cerca de três anos e na altura a viver na Suíça, que muitas marcas e ateliês de design internacionais recorriam a Portugal para produzirem as suas peças.

À semelhança do que aconteceu na edição anterior, cada dia será dedicado a uma técnica diferente, com tempo para trocar contactos entre os participantes e os designers convidados a conduzir os workshops (o chamado networking), e até para fazer um passeio pelo Porto numa carrinha “pão de forma”, ou não fossem a maioria dos inscritos de origem internacional.

Terça-feira, dia 4, Gonçalo Prudêncio vai guiar os participantes na construção de um objeto de secretária feito a partir de desperdícios de lápis Viarco; dia 5 é a vez de Nicholai Wiig Hansen — designer que tem colaborado com a Ikea e tem uma marca de cerâmica — conduzir o workshop de pintura e personalização de uma peça Vista Alegre; quarta-feira Joana Astolfi vai desafiar os aprendizes a pensar como é que uma embalagem pode valorizar um objeto — e logo a partir de um sabonete da Claus Porto, marca conhecida pelos rótulos mais do que bonitos; e na quinta-feira será a vez de fazer um candeeiro com a marca Get a Light, a partir de cinco formas de luz à escolha.

Os workshops irão decorrer nos jardins de Serralves, num ambiente informal, e “o objetivo é que cada participante saia sempre com um objeto”, explica Ana Bruto da Costa, sendo que este ano há uma novidade: “No final iremos selecionar alguns protótipos para serem produzidos pela Portuguese Makers e a Fundação de Serralves”, diz a arquiteta. Os objetos serão produzidos em Portugal, como não podia deixar de ser, e posteriormente colocados à venda na própria loja da fundação e outra lojas de museus.

Os workshops irão decorrer na zona da quinta de Serralves, no Porto. © Divulgação

Cada aula prática dá para 15 a 25 participantes e, ao contrário do que possa parecer, tirando a compra do bilhete não é necessário nenhum conhecimento especial na matéria. “Quem nos procura não são só profissionais da área”, diz Ana, como designers e arquitetos. “Na primeira edição tivemos desde uma ilustradora a uma pessoa que desenha aviões e os workshops são pensados para quem não sabe nada sobre o tema mas aprofundados o suficiente para quem já sabe.” O que une toda a gente? Querer fazer coisas com as mãos. E em Portugal, claro.

O quê? Portuguese Makers Craft
Onde? Fundação de Serralves
Quando? De 3 a 8 de setembro. Programa completo aqui
Quanto? 150€ (1 dia), 480€ a semana completa. Ver mais informações aqui

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: adferreira@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)