Rádio Observador

Segurança

É possível roubar um Tesla? Claro que sim, mas…

Mesmo com a electrónica a controlar a maioria das nossas vidas, é impossível impedir o roubo do que quer que seja e os automóveis não são excepção. Mas será mais fácil (ou não) roubar um Tesla?

Os fabricantes de automóveis têm cada vez mais ferramentas à sua disposição para impedir (ou tentar) todos os que querem levar para casa um carro que não é o seu. É claro que se os construtores recorrem à tecnologia para manter os ladrões do lado de fora dos veículos que vendem, os larápios utilizam essa mesma tecnologia para forçar a entrada e sair de cena conduzindo, ainda que isso os obrigue a maiores conhecimentos tecnológicos, em vez de serem apenas exímios a manusear o pé de cabra.

O sistema de abertura de portas sem chave (keyless) e o arranque por pressão do botão, em vez de introduzir a chave na ranhura e rodá-la para pôr o carro a funcionar, pode facilitar a vida ao condutor, mas facilita ainda mais a tarefa dos criminosos. E as apps que permitem controlar o carro à distância são um problema (ou uma fragilidade, ao nível da segurança) ainda maior, sendo esta uma realidade transversal a todos os fabricantes. No vídeo abaixo, um hacker da Promon mostra como pode roubar um Tesla em segundos.

E depois do carro roubado?

Não há um número suficiente de modelos da Tesla a circular na Europa para o número de roubos e recuperações poder ser comparado com os veículos de outros construtores, especialmente os do segmento de luxo. Mas nos EUA, onde a marca vende mais e há mais tempo, a base de dados permite realizar comparações eficazes.

Segundo a Autoridade de Segurança Rodoviária Norte-americana (NHTSA), nos EUA rouba-se um veículo a cada 41 segundos, ou seja, 765.000 carros por ano – ainda assim, um valor bem inferior ao que era habitual há 10 anos, onde se ultrapassava um milhão. E ainda de acordo com a NHTSA, apenas 58,4% dos veículos furtados eram recuperados (dados de 2016). Contudo, se considerarmos exclusivamente os Tesla, a taxa de recuperação ronda 95%. Por exemplo, em 2017 desapareceram 57 Tesla, a que se juntaram mais 23 unidades nos primeiros cinco meses de 2018, com apenas três deles a não serem recuperados pelas autoridades. Em parte, a justificação para esta taxa de sucesso tem a ver com o facto de os modelos da marca americana de veículos eléctricos estarem permanentemente ligados à rede, sendo possível saber sempre onde estão e até serem parados e desligados à distância, remotamente.

Para reforçar a segurança, a marca americana disponibilizou recentemente a funcionalidade “Passive Entry” numa actualização over-the-air, para já apenas para o Model S, sendo de prever que mesmo aconteça ao X. Basicamente, a função desactiva a apresentação automática das pegas das portas, por aproximação do condutor, exigindo que este destranque o veículo recorrendo à chave física. Se tiver curiosidade, o vídeo abaixo (a partir de 6.02) demonstra como funciona esta nova feature.

Se a Tesla possui o sistema mais sofisticado a este nível, há outros fabricantes que recorrem a soluções mais simples, mas que ainda assim têm conseguido obter melhorias na recuperação de veículos. É o caso da General Motors (GM) que, através do sistema de conectividade OnStar (que a Opel também utiliza na Europa), já localizou 100.000 automóveis roubados desde 1996, sem que o construtor especifique se chegaram a ser recuperados. A GM afirma sim que introduziu em 2008 um sistema em que remotamente pode reduzir a velocidade do veículo quando está a ser perseguido pela polícia, solução que é actualmente utilizada numa média de 22 casos por mês.

Entretanto, e independentemente dos esforços dos fabricantes, o melhor mesmo é não confiar cegamente na capacidade de recuperação dos veículos roubados, sendo preferível adoptar algumas medidas para manter os hackers fora dos seus computadores e telemóveis. Acredite ou não, é a forma mais eficaz de evitar surpresas desagradáveis.

Recomendador: descubra o seu carro ideal

Não percebe nada de carros, ou quer alargar os horizontes? Com uma mão-cheia de perguntas simples, ajudamo-lo a encontrar o seu carro novo ideal.

Recomendador: descubra o seu carro idealExperimentar agora

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: alavrador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)