O ex-secretário-geral do PSD, José Matos Rosa, sugeriu esta sexta-feira que a atuação da atual secretaria-geral do PSD constitui um retrocesso ao combate contra “populismos e demagogias” e garante que as estruturas locais do PSD sempre revelaram uma “enorme responsabilidade” na gestão dos atos eleitorais. A reação de Matos Rosa surge depois da notícia do jornal i, que avançou que o PSD já processou um dos candidatos autárquicos que excedeu o orçamento de campanha e a secretaria-geral do partido admite processar mais candidatos que não se responsabilizem pelas dívidas contraídas em nome do partido.

O ex-secretário-geral lembra que o PSD “sempre teve como um dos seus valores maiores a reafirmação dos valores democráticos” e que enquanto teve responsabilidades como secretário-geral se pautou “sempre por respeitar estes valores”. Além disso, “por todo o país”, Matos Rosa sentiu “estes valores serem respeitados pelos militantes e estruturas locais“.

Matos Rosa diz que a proximidade que teve com essas estruturas lhe “permitiu reconhecer a enorme responsabilidade com que os militantes, as concelhias e as distritais do PSD sempre se empenharam nos atos eleitorais“. Para o antigo secretário-geral o “sentido de responsabilidade permitiu a muitos ganhar contra populismos e demagogias que apenas cumprem interesses pessoais ou promiscuidade que sempre o PSD combateu.”

Esta sexta-feira, o jornal i noticiou que o PSD avançou com um processo em tribunal contra o candidato à Covilhã por gastos excessivos na campanha. E as críticas não demoraram a chegar do lado dos opositores de Rui Rio. “Precisávamos era de um PSD tão diligente a combater António Costa e a geringonça como a perseguir os seus próprios presidentes de câmara e dirigentes”, atirou Miguel Pinto Luz — o nome que Miguel Relvas chegou a lançar para a liderança do partido antes da última batalha interna — através do Facebook.

PSD. Rui Rio processa candidatos às autárquicas com gastos excessivos

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

A notícia confirmada pela secretaria-geral explica que o PSD avançou com um processo contra Marco Batista, candidato derrotado à câmara da Covilhã, por ter excedido em quase 90 mil euros o orçamento que sido definido para a sua campanha. A “medida pedagógica e exemplar”, nas palavras de um militante, prometia contestação interna. E Miguel Pinto Luz foi das primeiras figuras a criticar a decisão do líder do partido.

A gargalhada que António Costa deve ter dado ao ler esta capa.Tenho de o dizer, o que precisávamos era de um PSD tão…

Posted by Miguel Pinto Luz on Friday, August 31, 2018

“A gargalhada que António Costa deve ter dado ao ler esta capa”, escreveu o ex-presidente do PSD/Lisboa. “Se isto é a rentrée de combate político ao Partido Socialista depois de tudo o que aconteceu no país nas últimas semanas, melhor era continuarmos todos de férias“, considera Pinto Luz. A referência do social-democrata, vice-presidente da Câmara Municipal de Cascais, tem uma história recente por trás. Nos últimos dias, Carlos Carreiras (antigo vice-presidente do partido) foi uma das vozes mais críticas da ausência de Rio no espaço mediático.

No mesmo jornal i que hoje faz notícia com os processos contra autarcas do PSD, Carreiras começou por criticar a postura do líder em relação aos militantes sociais-democratas. “Deixe de andar aos pontapés aos seus companheiros de partido“, escreveu num artigo de opinião. Antes, em entrevista à Rádio Renascença, Carreiras já tinha notado a ausência do líder do partido.

Estamos a chegar a um extremo em que a ausência do PSD do debate político e no encontrar de alternativas à atual solução coloca em causa o próprio regime”, disse.

Rui Rio esteve várias semanas sem marcar presença, num período em que o sul do país esteve a arder e que o seu adversário nas últimas eleições internas abandonou o partido para avançar com uma nova força política que vai disputar o eleitorado social-democrata. Várias figuras do partido questionaram — e criticaram — o silêncio do líder. Miguel Pinto Luz segue a mesma linha, sempre crítico da atual liderança. “Já o disse e repito: aproximam-se momentos eleitorais muito importantes e é fundamental o PSD estar unido, mas o principal responsável pela mobilização e união do partido deve ser o seu presidente.

PSD. Rui Rio processa candidatos às autárquicas com gastos excessivos

Na caixa de comentários, várias mensagens com críticas a Rio, poucas de apoio a uma medida que, além de Marco Batista, pode vir a fazer mais vítimas, como admite a própria secretaria-geral do PSD. No dia em que Rui Rio volta a ter agenda pública, e na véspera de discursar na Festa do Pontal, há quem defenda que cada militante em desacordo com o líder deve aproveitar a presença de Rui Rio no Algarve para “demonstrar ativamente o seu desagrado” com a linha que está a ser seguida pelo líder da oposição.