Internet

Os memes vão acabar? Parlamento Europeu aprovou nova diretiva de direitos de autor

238

Os controversos artigos 11 e 13 da nova diretiva dos Direitos de Autor foram aprovados no Parlamento Europeu com 438 votos a favor e 226 contra. Os memes vão acabar ou há mais justiça para os autores?

Esta diretiva já tinha sido discutida em julho e, após cerca de 250 emendas, voltou a discussão

PATRICK SEEGER/EPA

Depois de a proposta da Comissão Europeia para uma nova Diretiva dos direitos de autor ter sido chumbada em julho, esta voltou a ser votada no Parlamento Europeu esta quarta-feira. Desta vez, o texto que criou controvérsia devido aos artigos 11 e 13 foi aprovado. Começam agora as conversações entre a Comissão Europeia e o Conselho Europeu, que vão negociar o texto final da diretiva. A nova legislação pode entrar em vigor em 2019.

Os eurodeputados que votaram a favor afirmam que a nova legislação não vai acabar com a Internet como a conhecemos. Contudo, há quem afirme ficar “triste por esta casa aprovar a censura”, como disse a eurodeputada Marisa Matias (que votou contra). O resultado final foi de 438 votos a favor, 226 contra e 39 abstenções. Na terça-feira, o tema causou uma grande discussão num debate em Estrasburgo, entre os representantes europeu.

Organizações como a Wikipédia, que desde terça-feira apelava aos utilizadores para pedirem aos seus eurodeputados para não aprovarem a nova diretiva, contestam este documento: afirmam que os artigos 11 e 13 vão criar medidas preventivas que vão barrar conteúdos na Internet. Contudo, para que isso aconteça, ainda é preciso que Comissão Europeia e os Estados Membros decidam o texto final. Ou seja, apesar de a discussão desta diretiva continuar, ainda pode mudar na votação final.

O Parlamento Europeu promete que plataformas como a Wkipédia não vão ser afetadas, por “plataformas como enciclopédias online e sem fins lucrativos, ou outras plataformas open source como o GitHub vão automaticamente ser excluídas da necessidade de cumprirem com esta diretiva”.

Esta proposta pretende atualizar os direitos de autor no contexto da Internet e uniformizá-los no espaço europeu, afirmou o presidente do Parlamento Europeu, Antonio Tajani. No fim, o pretendido é que os conteúdos de artistas partilhado na Internet possa gerar lucro aos autores. O artigo 11 poderá permitir que meios de comunicação de imprensa possam cobrar a serviços como o Google taxas por utilizarem os artigos que produzem. Já o artigo 13 poderá obrigar os detentores de plataforma de partilha de conteúdos, como o Facebook, a impedir que os que sejam protegidos por direitos de autor sejam impedidos de ser publicados.

Segundo o comunicado de imprensa divulgado pelo Parlamento Europeu, esta proposta visa obrigar “os gigantes tecnológicos a dividir lucros com artistas e jornalistas”. O relator da proposta, o eurodeputado alemão Axel Voss do Partido Popular Europeu, afirma que “está muito contente [com o resultado] e que, apesar da campanha agressiva de lobbying pelos gigantes tecnológicos, há agora um parlamento cheio a necessidade de proteger o pagamento justo dos criativos europeus”. O político afirma ainda, apesar de todas as dúvidas levantadas quanto à diretiva, que está “convencido que assim que o pó assentar a Internet vai continuar livre como é atualmente”.

O texto final desta votação só se vai conhecer esta quinta-feira, devido às cerca de 250 emendas aprovadas. Apenas no início de 2019 o documento final deverá ir a aprovação final no Parlamento Europeu.

*Em atualização

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mmachado@observador.pt
Inovação

#PortugalMaisDigital!

Rogério Campos Henriques

É importante existir um movimento que incentive a utilização dos recursos digitais existentes na sociedade por todos os cidadãos, de forma consciente e informada. E este é o grande propósito do MUDA.

Governo

A famiglia não se escolhe? /premium

Alberto Gonçalves

Se ainda não se restringiu o executivo aos parentes consanguíneos ou afins do dr. Costa, eventualidade que defenderia com empenho, a verdade é que se realizaram amplos progressos na área do nepotismo

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)