Rádio Observador

Venezuela

Estado venezuelano realizou mais de 8.200 execuções em menos de dois anos

2.303

O Estado venezuelano terá usado força letal contra as populações mais pobres e vulneráveis, o que resultou em mais de 8.200 alegadas execuções extrajudiciais em dois anos.

MIGUEL GUTIERREZ/EPA

O Estado venezuelano usa força letal contra as populações mais pobres e vulneráveis a pretexto do combate à criminalidade, o que resultou em mais de 8.200 alegadas execuções extrajudiciais em dois anos, alerta a Amnistia Internacional.

De acordo com o relatório “Esta não é forma de vida: A segurança pública e o direito à vida na Venezuela”, que cita dados da procuradoria-geral venezuelana, entre 2015 e junho de 2017 foram registadas 8.292 alegadas execuções extrajudiciais. Em 2015, foram registadas 1.777, cerca de 10% do total de homicídios nesse ano, em 2016 4.667 (22% dos homicídios) pessoas morreram às mãos das forças de segurança e entre janeiro e junho de 2017, 1.484 pessoas foram mortas por agentes policiais ou militares.

O relatório, que foi divulgado esta quinta-feira em Buenos Aires, na Argentina, destaca a responsabilidade do Estado venezuelano nas violações do direito à vida e à integridade física de milhares de pessoas.

O Estado não falha apenas ao não conseguir garantir a vida e a segurança das populações num contexto de níveis alarmantes de insegurança, mas está a implementar medidas repressivas, usando métodos militares, supostamente para combater o crime”, assinala o relatório. “O resultado são 8.292 alegadas execuções extrajudiciais entre 2015 e junho de 2017”, acrescenta o documento.

O relatório revela que, em 2016, a Venezuela registou a maior taxa de homicídios da sua história, com mais de 21.700 mortes, 4.667 (22%) das quais da responsabilidade por elementos das forças de segurança.

A Amnistia Internacional assinalou que, por cada pessoa morta, sobrevivem três ou quatro feridas com armas de fogo e estima, por isso, que entre 65 mil e 87 mil pessoas tenham sido vítimas de violência na Venezuela nesse ano.

Relativamente a 2017, a organização considera pouco fiáveis os números avançados pelo Governo, que não contabilizam as mortes cometidas pelas forças de segurança e apontam uma taxa de homicídios de 62 por 100 mil habitantes. Números de organizações não-governamentais citados no relatório da AI registam, por seu lado, uma taxa de 89 homicídios por cada 100 mil habitantes, o que coloca a Venezuela nos lugares cimeiros da lista de países com maior taxa de homicídios, a seguir à Síria e El Salvador.

A quase totalidade das vítimas (95%) eram homens e 60% tinham idades entre os 12 e os 29 anos, residentes nas zonas mais pobres do país. Cerca de 90% dos homicídios registados foram cometidos com armas de fogo. O perfil traçado pela Amnistia Internacional revela que as vítimas dos homicídios na Venezuela são sobretudo trabalhadores, pais de crianças pequenas e foram mortos em casa e na presença da família.

O relatório denuncia também a impunidade generalizada no país, onde 98% dos casos de violações dos direitos humanos e 92% dos crimes comuns não são julgados ou punidos. Assinala que, desde 2005, o Governo não publica estatísticas sobre homicídios e que, até setembro, o Ministério Público não tinha divulgado os dados relativos a 2018.

A Operação Libertação do Povo, criada pelo Governo em 2015 para combater a criminalidade, é também analisada no documento, que dá conta da existência de 505 vítimas mortais entre março de 2015 e julho de 2017, 1.074 polícias e militares investigados, 112 dos quais indiciados e 43 acusados. Além de homicídios, há registo de investigações por abuso de autoridade, invasão e destruição de habitações, privação da liberdade, tratamentos cruéis ou ameaças.

A Amnistia Internacional sustenta que, apesar de ter implementado 17 planos de segurança nos últimos 17 anos, o Estado venezuelano não conseguiu cumprir as suas obrigações de prevenir a violência armada, tendo falhado igualmente na investigação e punição das violações de direitos humanos e na reparação devida às vítimas. Pelo contrário, refere a organização, as autoridades apontam como “um sucesso” a prática de matar pessoas no contexto das operações de segurança.

A Amnistia Internacional lembra que a Venezuela vive uma “séria crise de direitos humanos há vários anos” com a violação do direito à alimentação, saúde, prisões políticas, tortura ou uso de tribunais militares para julgar civis. Para a organização, uma das “mais notáveis consequências” desta crise é o “crescimento dramático” do número de pessoas que deixou o país, estimado pelas Nações Unidas em cerca de 2,3 milhões desde 2014.

A Venezuela atravessa uma das piores crises de direitos humanos da sua história. A lista de crimes contra as populações está a crescer e é alarmante que (…) as autoridades usem uma linguagem de guerra para tentar legitimar o uso excessivo da força pela polícia e pelos militares e, em muitos casos, o recurso à força com a intenção de matar”, disse Erika Guevara-Rosas, diretora da Amnistia Internacional para as Américas.

Defendeu, por isso, que o Governo de Nicolás Maduro deve lançar um programa urgente para reduzir os homicídios e implementar um modelo que inclua orientações sobre o uso da força e de armas de fogo de acordo com as normas internacionais de direitos humanos.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)