Rádio Observador

Táxis

Uma semana depois, taxistas terminam protesto contra lei das plataformas eletrónicas

202

Taxistas em protesto contra a lei das plataformas eletrónicas de transporte de passageiros decidiram "desmobilizar de forma ordeira", após a promessa do PS de atribuir papel regulador às autarquias.

MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Os taxistas em protesto contra a lei das plataformas eletrónicas de transporte de passageiros decidiram “desmobilizar de forma ordeira”, após a promessa do PS de transferir as competências de licenciamento para as câmaras municipais.

O presidente da Associação Nacional dos Transportadores Rodoviários em Automóveis Ligeiros (ANTRAL), Florêncio Almeida, referiu que este “é um dia muito triste”, porque o setor ainda não conseguiu “uma vitória total”. Ainda assim, assumiu a felicidade de ter mostrado “a Portugal inteiro” que a classe não corresponde à imagem que lhe é atribuída, tendo em conta a forma pacífica como decorreram as concentrações dos últimos dias.

O Partido Socialista tinha anunciado durante a tarde estar disposto a negociar com os taxistas alterações à regulamentação do setor. Com uma garantia: a conhecida como “Lei Uber” não vai parar e entrará em vigor no dia 1 de novembro. Os socialistas propuseram que as autarquias passassem a ter mais competências para regulamentar sobre esta matéria. No fundo, explicou o deputado Carlos Pereira, assumindo “um papel mais regulador”.

À saída de uma reunião com os representantes dos taxistas, o vice-presidente do Grupo Parlamentar do PS explicou que a ideia é uma “resposta direta” a uma carta que a ANTRAL e a Federação Portuguesa do Táxi fizeram chegar aos deputados. A ideia é discutir estas potenciais alterações no âmbito “da Comissão de Descentralização”, sugerindo que os temas relacionados com os transportes possam ir para cima da mesa das negociações parlamentares.

O deputado socialista não adiantou mais detalhes até porque, lembrou, isto “é apenas o início” de uma discussão que pode terminar com alteração à legislação em vigor. Atribuindo às autarquias mais poder neste setor, acredita Carlos Pereira, a monitorização passaria a ser “mais fina”, e até deu como exemplo para referência futura a legislação em torno do Alojamento Local, que também acabou por transferir competências para os municípios.

Esta proposta não responde diretamente à luta anti-plataformas digitais de transporte de passageiros que os taxistas têm levado a cabo nos últimos meses e, em particular, nos últimos dias. Sobre isso, aliás, o socialista foi perentório: “Não vamos mudar a lei que vai entrar em vigor no dia 1 de novembro“.

No final da reunião com o PS, Carlos Ramos, presidente da Federação Portuguesa do Táxi, esclareceu que a proposta socialista ia ser analisada. “Foi-nos apresentada uma proposta que vamos analisar, as duas associações. Vamos comunicar a todos, nos Restauradores, se aceitamos essa proposta“, declarou.

Protesto à porta do Parlamento durou até serem recebidos

Cerca de 500 taxistas estiveram esta tarde concentrados em frente à Assembleia da República, em Lisboa, em protesto contra a lei das plataformas eletrónicas, esperando respostas às suas reivindicações durante o debate quinzenal com o primeiro-ministro.

Um dos grandes objetivos dos taxistas era serem recebidos por grupos parlamentares e esse objetivo foi cumprido: Carlos Ramos, presidente da Federação Portuguesa do Táxi, e Florêncio Almeida, presidente da ANTRAL, foram recebidos pelo Partido Socialista.

Quanto aos manifestantes, saíram da Avenida da Liberdade, onde têm as viaturas estacionadas em forma de protesto e dirigiram-se até São Bento, onde decorreu esta quarta-feira o primeiro debate quinzenal depois das férias parlamentares. Eram cerca de 300 quando deixaram a artéria lisboeta, mas a multidão foi crescendo ao longo do trajeto até à Assembleia da República.

À chegada ao Parlamento, por volta das 15 horas, os taxistas cantaram o hino nacional e reiteraram uma das frases da sua luta, e que entoaram durante a deslocação da Praça dos Restauradores até São Bento: “Costa, urgente, ouve o presidente”.

Em declarações à Lusa, o presidente da ANTRAL, Florêncio Almeida disse que os taxistas iriam aguardar pelo fim da sessão plenária, esperando ser recebidos pelos grupos parlamentares. “Desmobilizar é que nunca”, afirmou Florêncio de Almeida, explicando que após o plenário, se não houvesse qualquer entendimento, os taxistas em protesto iriam para a Praça dos Restauradores, onde estão concentrados desde dia 19, em protesto. Ao longo do desfile, várias centenas de taxistas foram-se juntando, fazendo o número de manifestantes rondar cerca de 500 profissionais em protesto.

A encabeçar o protesto estavam dezenas de mulheres taxistas de mãos dadas, caminhando ao ritmo do bater de um tambor e com a bandeira nacional hasteada a seu lado. Durante o percurso, os taxistas lembraram que “já são oito dias e sete noites” de luta pelo futuro do setor do táxi, exigindo “respeito” por parte do Governo.

“Governo escuta, os táxis estão em luta” e “Costa, urgente, ouve o presidente” foram as frases mais ouvidas ao longo da tarde. Os taxistas exigiram sempre que não fosse dado “nem um passo atrás”.

À chegada ao Largo do Rato, os taxistas assobiaram e buzinaram em frente à sede do Partido Socialista, lançando para o ar palavras como “aldrabões” ou “vergonha”. “Somos táxi há mais de 110 anos. Não tememos a concorrência, mas sim a incompetência de certos políticos (felizmente não todos)”, lia-se num dos cartazes erguidos durante o desfile.

Uma farmácia do Largo do Rato indicava 35 graus na altura em que os manifestantes subiam a rua de São Bento, munidos de garrafas de água fresca, chapéus e alguns com leques, para fazer face ao calor sentido.

Durante o protesto, os taxistas fizeram ainda menção aos “30 mil postos de trabalho em causa” se a lei que regula as plataformas eletrónicas de transporte de passageiros entrar em vigor no dia 01 de novembro, tendo pedido a sua revogação e um equilíbrio entre os dois setores.

Os taxistas estão em protesto desde dia 19, com concentrações em Lisboa, Porto e Faro.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)