Rádio Observador

Efeméride

Expo’98 encerrou há 20 anos e devolveu a zona oriental a Lisboa

1.062

A Exposição Mundial de 1998, dedicada aos Oceanos, fechou as portas há 20 anos. Foi visitada por 11 milhões de espectadores e permitiu a recuperação da Zona Oriental de Lisboa

MIGUEL A. LOPES/LUSA

A Exposição Mundial de 1998, em Lisboa, dedicada aos Oceanos, fechou as portas há 20 anos, depois de quatro meses com milhares de atividades culturais, que levaram à nova zona da capital cerca de 11 milhões de espetadores.

A Expo’98 recebeu o tema “Os oceanos: um património para o futuro”, realizou-se de 22 de maio a 30 de setembro de 1998 para comemorar os 500 anos dos Descobrimentos Portugueses e foi um marco na renovação da zona oriental da cidade de Lisboa, que estava então muito degradada.

O evento teve a participação de 143 países e 14 organizações internacionais em pavilhões individuais, que, na generalidade, respeitaram o tema dos Oceanos.

Foram realizados espetáculos com grandes nomes da música e de uma grande diversidade cultural e musical.

Os visitantes tinham como opção um bilhete de um dia (25 euros), três dias (62,35 euros) e bilhetes diários apenas para a parte da noite (12,50 euros) e um livre-trânsito (250 euros).

O logótipo da Expo’98 representava o mar e o sol e a mascote, uma grande onda azul, foi batizada de Gil, em homenagem ao navegador Gil Eanes.

A ideia surgiu em 1989 dos promotores da comissão para as comemorações dos 500 anos dos Descobrimentos portugueses António Mega Ferreira e Vasco Graça Moura e obteve o apoio do Governo, então liderado por Aníbal de Cavaco Silva.

Os edifícios que serviram de base à Expo foram projetados com a intenção de serem reaproveitados para outras funções após o encerramento da exposição.

O projeto da exposição correu paralelamente à realização de grandes obras públicas como a nova linha vermelha do Metropolitano de Lisboa e a estação de comboios do Oriente, projetada pelo arquiteto espanhol Santiago Calatrava, além da ligação a sul com a construção da ponte Vasco da Gama.

A última noite da exposição acabou já na madrugada de 01 de outubro de 1998 e teve a maior enchente de visitantes, estimando-se que entraram no recinto depois das 20:00 cerca de 215 mil pessoas.

Este número é apenas indicativo, porque, a determinada altura, por razões de segurança, os torniquetes de entrada foram destrancados, permitindo o livre acesso.

Depois do encerramento, o recinto esteve fechado até 15 de outubro, reabrindo já como Parque das Nações.

Quanto aos espaços da exposição, a entrada principal da exposição reabriu, entretanto, como centro comercial Vasco da Gama, os pavilhões que receberam os países convidados foram transformados na nova Feira Internacional de Lisboa, o Pavilhão da Utopia é atualmente o Altice Arena, o Pavilhão do Conhecimento é um museu e o Pavilhão do Futuro foi transformado no Casino Lisboa. O Oceanário manteve a sua função.

A zona envolvente do Parque das Nações foi sendo vendida para habitação e escritórios e hoje é uma das mais procuradas e caras de Lisboa.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Efeméride

Maio de 68: 50 anos depois

João Carlos Espada

Contra os anseios revolucionários de Maio de 68, a França permaneceu “burguesa”, isto é, livre e democrática. Pôde assim absorver ideias de Maio de 68, que teriam sido esmagadas pelos comunistas.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)