Efeméride

Expo’98 encerrou há 20 anos e devolveu a zona oriental a Lisboa

1.062

A Exposição Mundial de 1998, dedicada aos Oceanos, fechou as portas há 20 anos. Foi visitada por 11 milhões de espectadores e permitiu a recuperação da Zona Oriental de Lisboa

MIGUEL A. LOPES/LUSA

A Exposição Mundial de 1998, em Lisboa, dedicada aos Oceanos, fechou as portas há 20 anos, depois de quatro meses com milhares de atividades culturais, que levaram à nova zona da capital cerca de 11 milhões de espetadores.

A Expo’98 recebeu o tema “Os oceanos: um património para o futuro”, realizou-se de 22 de maio a 30 de setembro de 1998 para comemorar os 500 anos dos Descobrimentos Portugueses e foi um marco na renovação da zona oriental da cidade de Lisboa, que estava então muito degradada.

O evento teve a participação de 143 países e 14 organizações internacionais em pavilhões individuais, que, na generalidade, respeitaram o tema dos Oceanos.

Foram realizados espetáculos com grandes nomes da música e de uma grande diversidade cultural e musical.

Os visitantes tinham como opção um bilhete de um dia (25 euros), três dias (62,35 euros) e bilhetes diários apenas para a parte da noite (12,50 euros) e um livre-trânsito (250 euros).

O logótipo da Expo’98 representava o mar e o sol e a mascote, uma grande onda azul, foi batizada de Gil, em homenagem ao navegador Gil Eanes.

A ideia surgiu em 1989 dos promotores da comissão para as comemorações dos 500 anos dos Descobrimentos portugueses António Mega Ferreira e Vasco Graça Moura e obteve o apoio do Governo, então liderado por Aníbal de Cavaco Silva.

Os edifícios que serviram de base à Expo foram projetados com a intenção de serem reaproveitados para outras funções após o encerramento da exposição.

O projeto da exposição correu paralelamente à realização de grandes obras públicas como a nova linha vermelha do Metropolitano de Lisboa e a estação de comboios do Oriente, projetada pelo arquiteto espanhol Santiago Calatrava, além da ligação a sul com a construção da ponte Vasco da Gama.

A última noite da exposição acabou já na madrugada de 01 de outubro de 1998 e teve a maior enchente de visitantes, estimando-se que entraram no recinto depois das 20:00 cerca de 215 mil pessoas.

Este número é apenas indicativo, porque, a determinada altura, por razões de segurança, os torniquetes de entrada foram destrancados, permitindo o livre acesso.

Depois do encerramento, o recinto esteve fechado até 15 de outubro, reabrindo já como Parque das Nações.

Quanto aos espaços da exposição, a entrada principal da exposição reabriu, entretanto, como centro comercial Vasco da Gama, os pavilhões que receberam os países convidados foram transformados na nova Feira Internacional de Lisboa, o Pavilhão da Utopia é atualmente o Altice Arena, o Pavilhão do Conhecimento é um museu e o Pavilhão do Futuro foi transformado no Casino Lisboa. O Oceanário manteve a sua função.

A zona envolvente do Parque das Nações foi sendo vendida para habitação e escritórios e hoje é uma das mais procuradas e caras de Lisboa.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Efeméride

Maio de 68: 50 anos depois

João Carlos Espada

Contra os anseios revolucionários de Maio de 68, a França permaneceu “burguesa”, isto é, livre e democrática. Pôde assim absorver ideias de Maio de 68, que teriam sido esmagadas pelos comunistas.

Economia

Champalimaud: o grande industrial

Jaime Nogueira Pinto
606

António Champalimaud nasceu há cem anos. O seu modo frontal contrastava com um meio de gente prudente até à paralisia de voz e gesto, sempre em cima do muro, a ver para que lado dava jeito cair.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)