Rádio Observador

Sporting

Bruno de Carvalho estará a ser investigado no caso das agressões na Academia de Alcochete

375

Bruno de Carvalho, antigo presidente do Sporting, estará a ser investigado no caso das agressões a jogadores e técnicos na Academia a 15 de maio, avança a CMTV. Há mais dois detidos no caso.

Bruno de Carvalho estará a ser investigado no âmbito de um caso onde reclamou por mais do que uma ocasião a sua inocência

ANTÓNIO COTRIM/LUSA

Bruno de Carvalho estará a ser investigado no âmbito do caso das agressões a jogadores e treinadores do Sporting na Academia em Alcochete a 15 de maio, segundo avançou esta terça-feira a CMTV.

De acordo com o canal, o antigo presidente leonino, destituído em Assembleia Geral a 23 de junho, terá pedido para ser assistente no processo mas viu essa intenção negada por um juiz do Tribunal do Barreiro, pela possibilidade de colidir com a investigação. Não terão sido adiantadas mais explicações pelo segredo de justiça, mas a CMTV assegura que essa rejeição está ligada ao facto de Bruno de Carvalho ser um dos alvos da investigação que está a decorrer.

O ex-líder verde e branco negou sempre qualquer ligação direta ao caso. “Não passa pela cabeça de ninguém que o clube ou a SAD tivessem interesse neste tipo de atos de terrorismo contra os seus, ou outros. Tenho lutado com todas as forças contra a violência e nunca tive qualquer tipo de ação que fosse geradora de violência como se comprova (…) pelos cinco anos [na presidência do Sporting] sem qualquer incidente. Lamento, por isso, que me estejam a ser imputadas responsabilidades, diretas ou indiretas, morais ou materiais desse ato absolutamente hediondo”, salientou. Também a Juventude Leonina, através do seu líder Nuno Mendes, mais conhecido por Mustafá, desmentiu qualquer ação de Bruno de Carvalho: “Em nenhum momento houve um pedido, sugestão ou sequer aval do presidente ou de qualquer elemento do Sporting para que a Juve Leo desencadeasse qualquer ação contra os nossos jogadores, o nosso mister, o staff técnico ou qualquer elemento na Academia”.

Recorde-se que, na semana passada, a Procuradoria-Geral Distrital de Lisboa anunciara que todos os suspeitos do ataque à Academia iriam ficar continuar em prisão preventiva, com as medidas de coação aplicadas aos arguidos a serem revistas de três em três meses. Segundo a nota, o Tribunal da Relação de Lisboa “já se pronunciou, em oito acórdãos, pela manutenção das medidas de coação de prisão preventiva aplicadas aos arguidos” e considerou as medidas de coação máxima “necessárias, proporcionais e adequadas, atentas às necessidades e exigências e penas abstratas previstas para os crimes indiciados”.

No total, estão em prisão preventiva 37 arguidos, dos quais 23 foram detidos no dia dos acontecimentos e os restantes em junho e julho. Entre eles, está o antigo líder da claque Juventude Leonina, Fernando Mendes. Os arguidos, recorde-se, são suspeitos de terem participado nas agressões a jogadores e treinador do Sporting, que se preparavam para mais um treino, na Academia em Alcochete. O ataque provocou o caos no centro de treinos, sobretudo no balneário onde estavam reunidos os jogadores, que acabaram por ser insultados, ameaçados e agredidos. Os agressores lançaram ainda tochas dentro do edifício. Uma delas acabou por atingir e ferir o preparador físico. Os 37 arguidos são suspeitos de vários crimes, entre os quais terrorismo, ofensa à integridade física qualificada, ameaça agravada, sequestro e dano com violência.

Há mais dois detidos no caso de Alcochete

A TVI24 avançou esta terça-feira que há mais dois detidos no caso do ataque à Academia do Sporting, segundo uma fonte da Polícia Segurança Pública (PSP).

Bruno Jacinto, o funcionário do Sporting que detinha o cargo de oficial de ligação às claques é, segundo o Correio da Manhã, um dos mais recentes detidos na investigação do DIAP de Lisboa. O funcionário dos leões terá tido conhecimento prévio do crime e terá ajudado a executar o plano e, posteriormente, à fuga dos agressores.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: broseiro@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)