Rádio Observador

Cristiano Ronaldo

David Chesnoff, o “advogado das estrelas”, não vai representar Ronaldo no caso de alegada violação

191

A Gestifute confirmou que David Chesnoff não vai representar CR7 no caso entre ele e Kathryn Mayorga. Empresa não avança com outro nome, mas Osório e o alemão Christian Schertz fazem parte da defesa.

AFP/Getty Images

David Chesnoff, o “advogado das estrelas” que já representou celebridades como Mike Tyson e Harvey Weinstein em polémicas de assédio, abuso e violação sexual, não vai representar Cristiano Ronaldo no caso de uma alegada violação à professora norte-americana Kathryn Mayorga, confirmou o Observador junto da Gestifute.

A empresa de gestão de carreiras desportivas não avança com o nome de quem pode tomar as rédeas da equipa de defesa do internacional português neste caso, embora o mais recente comunicado de imprensa relativo ao caso Ronaldo pela Gestifute tenha sido assinado por Christian Schertz, advogado alemão especialista em lei da comunicação social. Mas a TVI 24 fala em Peter S. Christiansen, um advogado de Las Vegas que é especialista em defesa criminal e danos pessoais.

O nome de Christiansen, contudo, não foi confirmado pela Gestifute. Trata-se de um causídico que está na lista dos 100 melhores advogados dos Estados Unidos da América e que, neste momento, está a defender um homem acusado pela mulher de ter morto o filho de ambos, que tinha cinco meses. O bebé morreu dois dias depois de ter dado entrada no hospital com marcas de violência na cabeça e no pescoço. O homem foi detido depois de a autópsia ter provado que os ferimentos foram causados por abusos contra o bebé — e não por ele se ter magoado com o biberão, como o pai começou por dizer à polícia.

O nome de David Chesnoff foi avançado pela Associated Press a 3 de outubro deste ano. A agência de notícias norte-americana avançou mesmo que o advogado tinha sido contratado nessa quarta-feira, tendo acrescentado declarações do próprio David Chesnoff onde este negava “categoricamente” as alegações de uma violação em 2009 e expressava “fé completa no sistema judicial”.

Ao Observador, a Gestifute — que gere a carreira de Ronaldo — diz que “o advogado não é David Chesnoff”: “Não foi anunciado por nós, não foi anunciado pelo Ronaldo. Ninguém do lado do Ronaldo divulgou ou confirmou o nome do advogado”, respondeu fonte oficial da empresa sem avançar com outro nome.

Cristiano Ronaldo terá estado esta segunda-feira em Lisboa, acompanhado por Georgina Rodríguez, para delinear a defesa no caso contra Kathryn Mayorga. O futebolista ter-se-á encontrado com advogados no Sky Bar, no Hotel Tivoli, para estudar a estratégia para lidar com a polémica.

Entretanto, o Jornal de Notícias publicou que Cristiano Ronaldo terá dito às autoridades que os ferimentos no ânus detetados em Kathryn Mayorga foram provocados por outra pessoa.

O advogado portuense que não abandona Ronaldo

No entanto, há um nome que não abandona Cristiano Ronaldo desde o início da carreira do avançado da Juventus: Carlos Osório de Castro. É, aliás, a assinatura desse advogado portuense que surge na terceira página do acordo secreto que o madeirense assinou com Kathryn Mayorgia a 12 de janeiro de 2010 após a professora norte-americana, à época modelo e anfitriã de uma discoteca em Las Vegas, ter acusado Ronaldo de violação em 2009.

Nesse contrato, Kathryn — identificada como “senhora P” — comprometia-se a manter o silêncio sobre os “alegados eventos” que ocorreram entre ela e Ronaldo — “senhor D” nesse documento. Mais: não podia contar a ninguém o que tinha acontecido, não podia revelar a identidade de Cristiano Ronaldo, tinha de destruir qualquer material referente àquele caso e tinha de desistir de “todas as queixas criminais ” contra ele. Em troca, Kathryn Mayorga recebeu 375 mil dólares (cerca de 326 mil euros).

Num dos 11 pontos que compõem o contrato, no entanto, o nome de Osório de Castro é diretamente enunciado: “As partes concordam ainda que a senhora P. escreverá uma carta ao senhor D. (que não esteve nas reuniões) que deverá, como uma condição do acordo, ser-lhe lida pelo advogado português sr. Osório de Castro, que terá depois de certificar à senhora P. que a carta foi de facto lida ao senhor D. A carta deverá ser fornecida ao advogado ao mesmo tempo que a senhora P. der a sua cópia do acordo final e a missiva deverá ser lida nas duas semanas seguintes à sua recepção pelo sr. Osório de Castro, e a senhora P. deverá ser informada da leitura imediatamente depois de esta acontecer”.

No final, o documento é assinado por quatro pessoas: Kathryn Mayorga, o advogado Richard Wright (que a representava), John H. Lavely (um dos advogados de Ronaldo) e Carlos Osório de Castro, que rubricou o documento tanto na qualidade de advogado do futebolista como de procurador dele porque Ronaldo não esteve presente no momento em que o acordo foi estabelecido.

Como Ronaldo discutiu o acordo com Mayorga

O facto de Cristiano Ronaldo não estar presente nessa reunião terá incomodado Kathryn Mayorga, desvendam os documentos do Football Leaks a que o Der Spiegel teve acesso. Osório de Castro terá enviado uma mensagem a Ronaldo dizendo que “o mediador diz que ela começou a chorar e que está perturbada porque acha que não está interessado no assunto e por estar noutro sítio qualquer”. Depois, noutra mensagem, Osório de Castro terá dito a Ronaldo: “Até agora ainda não se falou em dinheiro, mas isso está para vir”. O jogador respondeu: “Ok”, mas 47 minutos depois, Osório enviou outra mensagem:

— 950 mil dólares.

— É essa a quantia?

— É a primeira exigência: são 660 mil euros. Não vamos aceitar. As negociações continuam.

— Isso é demais?

— Acho que sim. Acho que vamos fechar isto por menos.

— Tem de ser menos!

— Ok.

Só ao final do dia é que Cristiano Ronaldo receberia outra mensagem de Osório de Castro:

— Finalmente estamos a terminar, após 12 horas, por 260 mil euros. Além disso, haverá os custos da mediação de que já lhe falei, mais alguns pagamentos aos advogados que estão agora a tentar formalizar a transação. Sei que é muito dinheiro, mas acho que foi a melhor saída – e não foi nada fácil chegar até aqui.

Quanto à carta que Osório de Castro devia ter lido a Cristiano Ronaldo, o Der Spiegel teve acesso a uma cópia desse documento. Na carta, Kathryn Mayorga dizia: “Gritei NÃO NÃO NÃO NÃO NÃO NÃÃÃÃÃO vezes sem conta e implorei-te para parares. Atacaste-me por trás com um rosário branco ao pescoço!! O que é que Deus pensaria daquilo!!! O que é que Deus pensaria de ti!!!”. Depois acrescentou: “Espero que te apercebas daquilo que me fizeste e que tenhas aprendido com este erro terrível!! Não roubes a vida de outra mulher como roubaste a minha!! Não quero saber do teu dinheiro, isso era a última coisa que eu queria!! Queria justiça! Não existe mesmo justiça neste caso”.

A essa carta, os advogados que redigiram o contrato confidencial entre Ronaldo e Mayorga chamaram “Carta de Acordo Confidencial em Anexo”.

É incerto se Cristiano Ronaldo terá tido acesso a essa carta. Ela devia ter sido lido a Ronaldo por Osório de Castro no prazo de duas semanas após a sua receção. Pouco antes de esse prazo terminar, o advogado de Kathryn Mayorga terá enviado um e-mail ao advogado português: “Pelos meus cálculos faz amanhã duas semanas desde que recebeu a carta. Assim, por favor confirme se a carta foi lida a Topher [pseudónimo de Ronaldo]”. Osório de Castro terá respondido: “Confirmo que a carta foi lida por mim a Topher”. Depois, o norte-americano enviou outro e-mail que dizia apenas: “Pinóquio”.

Outro nome da defesa de Cristiano Ronaldo que já veio à tona à conta desta polémica foi o de Johannes Kreile, advogado em Munique. A Der Spiegel enviou a 10 de abril de 2017 um e-mail a Cristiano Ronaldo com uma lista de questões acerca dos documentos a que tinha tido acesso para a primeira parte da investigação do jornal alemão. Foi Johannes Kreile quem respondeu: “Rejeitamos categoricamente as acusações suscitadas pelas vossas perguntas”. Também afirmou que Ronaldo “tomaria medidas contra quaisquer alegações factuais falsas, bem como qualquer violação do seu direito à privacidade”. E exigia que a Der Spiegel “desistisse de publicar” aquele material.

A Der Spiegel não desistiu e publicou a primeira parte da reportagem a 14 de abril de 2017. A Gestifute, que gere a carreira de Ronaldo, saiu em defesa do futebolista através de um comunicado onde podia ler-se que “o jornal alemão Der Spiegel publica hoje uma extensa notícia sobre uma alegada acusação de violação que, segundo se refere, teria sido feita a Cristiano Ronaldo em 2009. Ou seja, há cerca de 8 anos. Trata-se de uma peça de ficção jornalística. A suposta vítima recusa ser identificada e corroborar a estória. A reportagem do Der Spiegel é falsa e Cristiano Ronaldo agirá contra esse órgão de comunicação social por todos os meios ao seu alcance. A imputação de uma violação é uma acusação nojenta e ultrajante que não pode ficar em claro”.

Sobre a carta, a Gestifute disse em comunicado: “E todo o enredo se baseia em documentos não assinados e em que as partes são identificadas por códigos, em emails entre advogados que não dizem respeito a Cristiano Ronaldo e cuja autenticidade ele desconhece, e numa suposta carta que teria sido enviada pela putativa vítima, mas que ele nunca recebeu”. Quanto a Ronaldo, o futebolista negou igualmente todas as acusações à Der Spiegel na mesma altura.

Quando a última parte da reportagem foi publicada, o capitão da seleção portuguesa reagiu através do Twitter: “Nego terminantemente as acusações de que sou alvo. Considero a violação um crime abjecto, contrário a tudo aquilo que sou e em que acredito. Não vou alimentar o espectáculo mediático montado por quem se quer promover à minha custa. Nego terminantemente as acusações de que sou alvo. Considero a violação um crime abjecto, contrário a tudo aquilo que sou e em que acredito. Não vou alimentar o espectáculo mediático montado por quem se quer promover à minha custa”.

A Gestifute também lançou outro comunicado de imprensa quando o Der Spiegel publicou a investigação na íntegra: “A matéria noticiada no SPIEGEL é manifestamente ilegal e viola os direitos de personalidade do nosso cliente Cristiano Ronaldo de uma forma extremamente grave. Esta é uma notícia de suspeição inadmissível em matéria de privacidade. Por conseguinte, a sua reprodução será ilícita. Fomos instruídos para apresentar todas as queixas e reivindicações ao abrigo da lei de imprensa contra a publicação SPIEGEL, em particular no que toca à compensação por danos morais num montante que corresponda à gravidade da violação cometida, que é provavelmente uma das violações mais graves dos direitos de personalidade dos últimos anos”.

Esse comunicado é assinado por Christian Schertz, apresentado como “o advogado de Cristiano Ronaldo” pela Gestifute. Christian Schertz tem 52 anos, estudou Direito e desde 1994 que trabalha na área de imprensa, direitos de autor e lei da comunicação social.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mlferreira@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)