Rádio Observador

Câmara Municipal Lisboa

Bairro Alto, Madragoa, Castelo, Alfama, Mouraria. Câmara suspende novos alojamentos locais

633

Câmara Municipal de Lisboa vai propor a suspensão de novos registos de alojamento local em bairros históricos de Alfama, Mouraria, Castelo, Madragoa e Bairro Alto.

TIAGO PETINGA/LUSA

A Câmara Municipal de Lisboa anunciou esta quinta-feira, em reunião privada do executivo, liderado pelo PS, que vai suspender novos registos de alojamento local nos bairros de Madragoa, Castelo, Alfama, Mouraria e Bairro Alto.

A informação foi transmitida aos vereadores durante a reunião que decorreu esta manhã, nos Paços do Concelho, através da apresentação de um estudo urbanístico do turismo em Lisboa, ao qual a agência Lusa teve acesso. De acordo com fontes consultadas pelo Observador, foram apenas apresentadas as linhas gerais do estudo. Não houve nenhuma proposta concreta e o executivo camarário ainda não dá a discussão por fechada.

A apresentação foi feita pelo vereador Manuel Salgado, que tem o pelouro da Habitação e que, com esta reunião, pretendeu dar conta, aos restantes vereadores, do trabalho que tem sido feito pelo PS no sentido de controlar a corrida ao alojamento local. Segundo apurou o Observador, a intenção dos socialistas é tornar este processo transparente e admitem vir a acolher sugestões da oposição no período de discussão. Sempre tendo em conta “as restrições que a nova lei impõe”, explicou uma fonte do governo da autarquia.

As linhas gerais apresentadas serviram sobretudo para identificar as zonas de contenção da capital e fundamentar futuras propostas que venham a ser tomadas neste sentido. Por agora, a ideia passa por travar o crescimento do alojamento local nos bairros históricos. As restrições vão abranger as freguesias de Santa Maria Maior, Estrela e Misericórdia.

Estes são alguns dos bairros em que o número de turistas mais tem crescido. No mês de setembro, o Jornal de Negócios revelou que mais de um terço das casas no centro da capital já são habitadas por turistas – 34%, mais concretamente. Em alguns casos, o número de turistas pode mesmo ser superior ao de residentes.

Esta era uma ideia que Fernando Medina já tinha defendido sucessivas vezes mas ainda não tinha sido materializada em medidas. O presidente da Câmara Municpal do Porto, Rui Moreira, também tem cavalgado muito a ideia de combater o crescimento do alojamento local nos bairros históricos. A intenção de colocar um travão a este problema no município portuense ainda não conheceu nenhuma proposta mas o autarca da invicta deve apresentar medidas semelhantes em breve.

Já a 4 de outubro, a Câmara Municipal de Lisboa tinha anunciado que iria apresentar este mês uma proposta de contenção para limitar a abertura de novos alojamentos locais. O município estima que o regulamento municipal sobre esta matéria seja divulgado em novembro.

O diploma que permite às câmaras municipais e às assembleias de condóminos intervirem na autorização do alojamento local entra em vigor em 22 de outubro.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)