Câmara Municipal Lisboa

Bairro Alto, Madragoa, Castelo, Alfama, Mouraria. Câmara suspende novos alojamentos locais

633

Câmara Municipal de Lisboa vai propor a suspensão de novos registos de alojamento local em bairros históricos de Alfama, Mouraria, Castelo, Madragoa e Bairro Alto.

TIAGO PETINGA/LUSA

A Câmara Municipal de Lisboa anunciou esta quinta-feira, em reunião privada do executivo, liderado pelo PS, que vai suspender novos registos de alojamento local nos bairros de Madragoa, Castelo, Alfama, Mouraria e Bairro Alto.

A informação foi transmitida aos vereadores durante a reunião que decorreu esta manhã, nos Paços do Concelho, através da apresentação de um estudo urbanístico do turismo em Lisboa, ao qual a agência Lusa teve acesso. De acordo com fontes consultadas pelo Observador, foram apenas apresentadas as linhas gerais do estudo. Não houve nenhuma proposta concreta e o executivo camarário ainda não dá a discussão por fechada.

A apresentação foi feita pelo vereador Manuel Salgado, que tem o pelouro da Habitação e que, com esta reunião, pretendeu dar conta, aos restantes vereadores, do trabalho que tem sido feito pelo PS no sentido de controlar a corrida ao alojamento local. Segundo apurou o Observador, a intenção dos socialistas é tornar este processo transparente e admitem vir a acolher sugestões da oposição no período de discussão. Sempre tendo em conta “as restrições que a nova lei impõe”, explicou uma fonte do governo da autarquia.

As linhas gerais apresentadas serviram sobretudo para identificar as zonas de contenção da capital e fundamentar futuras propostas que venham a ser tomadas neste sentido. Por agora, a ideia passa por travar o crescimento do alojamento local nos bairros históricos. As restrições vão abranger as freguesias de Santa Maria Maior, Estrela e Misericórdia.

Estes são alguns dos bairros em que o número de turistas mais tem crescido. No mês de setembro, o Jornal de Negócios revelou que mais de um terço das casas no centro da capital já são habitadas por turistas – 34%, mais concretamente. Em alguns casos, o número de turistas pode mesmo ser superior ao de residentes.

Esta era uma ideia que Fernando Medina já tinha defendido sucessivas vezes mas ainda não tinha sido materializada em medidas. O presidente da Câmara Municpal do Porto, Rui Moreira, também tem cavalgado muito a ideia de combater o crescimento do alojamento local nos bairros históricos. A intenção de colocar um travão a este problema no município portuense ainda não conheceu nenhuma proposta mas o autarca da invicta deve apresentar medidas semelhantes em breve.

Já a 4 de outubro, a Câmara Municipal de Lisboa tinha anunciado que iria apresentar este mês uma proposta de contenção para limitar a abertura de novos alojamentos locais. O município estima que o regulamento municipal sobre esta matéria seja divulgado em novembro.

O diploma que permite às câmaras municipais e às assembleias de condóminos intervirem na autorização do alojamento local entra em vigor em 22 de outubro.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)