Rádio Observador

PSP

Comandante da PSP/Porto elogia “todos os agentes” envolvidos na detenção dos três condenados que fugiram do tribunal

735

Foram detidos e condenados por assaltos violentos e agressões a idosos, mas fugiram de um tribunal no Porto. Viram as suas fotografias divulgadas e foram recapturados em menos de 24 horas.

O comandante e superintendente-chefe da PSP do Porto, Paulo Lucas, elogiou “o esforço, a dedicação e o profissionalismo demonstrados por todos os elementos policiais que, direta ou indiretamente, contribuíram” para o “objetivo final” da PSP: concluir a “operação” que resultou na detenção e mais tarde recaptura dos três elementos de “uma organização criminal” que faziam assaltos violentos e agrediam idosos. As declarações foram publicadas em comunicado, na página de Facebook “Polícia de Segurança Pública – Comando Metropolitano do Porto”.

“ Como é do conhecimento público, no passado dia 16 de outubro, este Comando Metropolitano, através da sua Divisão de…

Posted by Polícia de Segurança Pública – Comando Metropolitano do Porto on Tuesday, October 23, 2018

Recorde-se que, já depois de capturados e condenados, os assaltantes fugiram do Tribunal de Instrução Criminal (TIC) do Porto. Em menos de 24 horas, foram recapturados. Na sequência da recaptura, foram fotografadas algemados e as imagens foram tornadas públicas no Facebook pelo Sindicato Unificado da PSP. O Ministério da Administração Interna abriu um inquérito para investigar a fuga e divulgação das imagens.

“A complexidade da investigação, o grau de violência empregue sobre as vítimas, na sua maioria de idade bastante avançada, e o elevado alarme social gerado pelas circunstâncias descritas, exigiu por parte de todos os elementos policiais envolvidos uma grande dinâmica, elevado empenho e sério compromisso sem o qual não seria possível alcançar o objetivo final de toda a operação, no caso, devolver a tranquilidade pública à comunidade que servimos”, refere o superintendente-chefe da PSP do Porto.

Reconhecer o trabalho dos agentes da PSP envolvidos na detenção dos fugitivos é “da mais elementar justiça”, entende o Comandante da PSP portuense.

Leia o comunicado na íntegra:

“ Como é do conhecimento público, no passado dia 16 de outubro, este Comando Metropolitano, através da sua Divisão de Investigaçao Criminal, desencadeou uma operação policial no âmbito de uma investigação delegada pelo DIAP do Porto, que permitiu desmantelar uma organização criminal que visava o roubo de residências.

Na sequência da apresentação judicial a primeiro interrogatório dos arguidos detidos e da subsequente aplicação da medida de coação de prisão preventiva a três dos suspeitos, os mesmos lograram uma fuga das instalações do Tribunal, sendo novamente recapturados num hiato temporal inferior a 24 horas.

A complexidade da investigação, o grau de violência empregue sobre as vítimas, na sua maioria de idade bastante avançada, e o elevado alarme social gerado pelas circunstâncias descritas, exigiu por parte de todos os elementos policiais envolvidos uma grande dinâmica, elevado empenho e sério compromisso sem o qual não seria possível alcançar o objetivo final de toda a operação, no caso, devolver a tranquilidade pública à comunidade que servimos.

Por tudo o atrás aludido considero da mais elementar justiça enaltecer o esforço, a dedicação e o profissionalismo demonstrados por todos os elementos policiais que, direta ou indiretamente, contribuíram para o objetivo final.

O Comandante

Paulo Lucas

Superintendente-chefe ”

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)