Moda

José Neves, um português nomeado para os Fashion Awards

229

José Neves fundou a Farfetch, o primeiro unicórnio português, e agora está nomeado para o prémio britânico, na categoria "Líder de Negócio", ao lado dos CEO da Gucci, da Burberry e da Louis Vuitton.

O português José Neves é um dos nomeados para o prémio de "Líder de Negócio" dos Fashion Awards

Nic Serpell-Rand

A cerimónia acontece no dia 10 de dezembro, em Londres, mas a lista de nomeados aos Fashion Awards já foi divulgada. E, na categoria “Líder de Negócio”, está um nome português. José Neves, presidente e fundador da Farfetch, faz parte de uma shortlist de candidatos ao prémio e surge ao lado dos presidentes da Gucci, da Burberry e da Louis Vuitton e do presidente executivo da Versace.

Natural de Guimarães, José Neves fundou, em 2007, a empresa que acabaria por se tornar no primeiro unicórnio português. Em setembro deste ano, a Farfetch estreou-se na bolsa de Nova Iorque, avaliada em quase cinco mil milhões de euros, “mais cara” que a própria Amazon. Com a capitalização bolsista, a empresa criada pelo português posicionou-se imediatamente acima dos 8 mil milhões de dólares.

Poderá ter sido esta valorização relâmpago a chamar a atenção do júri dos Fashion Awards, prémios cujo objetivo é distinguir “a criatividade e a inovação na moda, cuja imaginação e criatividade abriram novos caminhos na moda global nos últimos 12 meses”. Na última década, o sucesso da Farfetch não se mediu apenas pela sua valorização. A empresa revolucionou o comércio online de moda de luxo.

“Fui designer de sapatos, dono de uma boutique, organizador de feiras, um verdadeiro faz-tudo no mundo da moda. E apaixonei-me por este mundo, fiquei fascinado pelas pessoas, pelos sítios, pelo caos criativo”, afirmou o empresário, de 44 anos, numa carta escrita na primeira pessoa, que acompanhou o Prospeto do IPO, aquando a entrada na bolsa.

Os Fashion Awards (foram British Fashion Awards até 2016) acontecem desde 1989 e são organizados pelo British Fashion Council (BFC). A cerimónia anual é a principal fonte de donativos para a BFC’s Education Foundation, dedicada a apoiar financeiramente estudantes com potencial assinalável na indústria da moda.

A par da categoria que distingue o melhor homem de negócios do último ano, a cerimónia, que terá lugar no Royal Albert Hall, irá atribuir prémios a outros nove vencedores, designers de moda, na maioria. Esta não é a primeira vez que um português faz parte da lista de nomeados dos Fashion Awards. Em 2014, a dupla Marques’Almeida arrecadou o prémio de “Designer Emergente de Moda Feminina”.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mgoncalves@observador.pt
Civilização

A evidência é desprezada?

António Cruz Gomes

Ainda que nascidos transitórios – para viver no mundo, com o mundo e pelo mundo – fomos indelevelmente marcados por uma aspiração transcendental.

Família

Filhos de cabeceira /premium

Laurinda Alves

Trazer os pais para casa nunca é fácil, sobretudo para eles, mas muito mais importante do que a perturbação que esta decisão provoca no interior das famílias, é o equilíbrio que lhes devolve a eles.

Civilização

A evidência é desprezada?

António Cruz Gomes

Ainda que nascidos transitórios – para viver no mundo, com o mundo e pelo mundo – fomos indelevelmente marcados por uma aspiração transcendental.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)