O primeiro-ministro afirmou-se esta segunda-feira em “total convergência” com o Presidente da República no repúdio sobre tentativas de partidarização e de envolvimento das Forças Armadas “em jogos de poder” na sequência do caso de Tancos.

No domingo, o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, afirmou que não será tolerado o uso da instituição militar para “jogos de poder”, num discurso na cerimónia que assinalou os cem anos do armistício da I Guerra Mundial, em 11 de novembro de 1918.

“Essas palavras, uma vez mais, reafirmam a total convergência entre o Governo e o Presidente da República sobre essa matéria. É absolutamente lamentável a tentativa de partidarização e o jogo político em torno das nossas Forças Armadas”, reagiu o líder do executivo.

Numa alusão às circunstâncias do roubo de armamento em Tancos, António Costa declarou que se trata “de um caso lamentável que compete às autoridades judiciárias investigar” e que compete ao poder político “respeitar e confiar nas autoridades para que levam até ao final todas as suas investigações”.