Rádio Observador

Guia Rápido

Tailândia: um guia rápido de Chiang Mai

Denominada “Rosa do Norte”, Chiang Mai é a capital cultural do Norte da Tailândia e berço da religião budista neste país. Cidade ente muralhas, tem mais de 300 templos.

Autor
  • Catarina Serra Lopes

Apelidada de “Rosa do Norte”, Chiang Mai é a capital cultural do Norte da Tailândia e berço da religião budista naquele país. Cidade edificada entre muralhas, tem mais de 300 templos, o maior mercado noturno do continente e a fama de ser o grande spot gastronómico do país. Entre restaurantes e bancas de rua, os petiscos multiplicam-se. Um destino perfeito para uns dias de cultura, compras e boa comida. Damos-lhe dicas sobre onde ficar, o que fazer e onde comer.

Um hotel

Four Seasons de Chiang Mai, não é um hotel, é um autêntico oásis no meio das montanhas de Mae Rim, a cerca de 20 minutos do centro histórico da cidade. Aproveite para dar um mergulho na piscina de borda infinita, para fazer um tratamento no spa ou apenas para relaxar nos luxuosos bungalows com vista para os arrozais.

Quarto duplo a partir de 550 euros. Reservas disponíveis aqui

Um restaurante

O Khao Soi Nimman fica no bairo trendy de Chiang Mai e tem fama e proveito de servir um dos melhores Khao Soi’s da cidade. Este é o prato emblemático do Norte da Tailândia e consiste num caldo de caril, coco e noodles fritos (além dos ingredientes que ficam por revelar), ao qual se junta camarão, carne de vaca ou frango, dependendo do gosto de cada um.

Nimmana Haeminda Rd Lane 7. Aberto todos os dias das 11h00 às 20h00. Preço médio por pessoa: 6 euros. 

Um templo

Numa cidade com 300 templos é difícil escolher o melhor: o  DoiSuthep é considerado o mais emblemático. De preferência, visite-o ao final da tarde, para aproveitar a vista da cidade à luz do entardecer. Já no centro histórico um dos que não pode deixar de visitar é o WatChiangMan, o mais antigo da cidade, datado de 1296, é também o mais místico.

171 Ratchapakhinai Rd. Aberto todos os dias das 8h30 às 17h30.

Um bar

The Old Place, nas margens do rio Ping é um dos sítios mais cool para ir beber um copo ao final do dia, há bandas a tocar ao vivo, pufs pelo chão e uma brisa fresca que vem do rio para cortar o calor tórrido que normalmente passa por Chiang Mai.

89 Charoenrat Road. Aberto de Terça a Domingo das 9h00 às 00h00. 

Uma loja

Chama-se The House. É um restaurante mas também é um bar e consegue ser, ao mesmo tempo, uma loja. Tem as melhores caipirinhas de manga deste mundo e do outro e utensílios de cozinha, roupa e artigos decoração. Dá vontade de trazer tudo, ou então, pelo menos, de ficar por ali a apreciar cada detalhe.

99 Moonmuang Rd. Aberto todos os dias das 10h30 às 23h00.

A não perder

Um dos um dos ícones da “street food” de Chiang Mai; “a senhora do chapéu de cowboy”. Uma rapariga de sorriso simpático que tem uma banca junto à Elephant Gate, onde cozinha um prato que se tornou famoso: perna de porco cozinhada durante horas a fio, com arroz, ovo cozido, cebolinho, molho de malagueta agri-doce e pickles de mostarda verde. Uma maravilha.

Aberto todos os dias das 17h00 às 22h00. Preço médio por pessoa: 2,50 euros.

Como ir

A Lufthansa voa de Lisboa ou do Porto para Bangkok com tarifas a partir dos 600 euros. De Bangkok para Chiang Mai há diversas companhias aéreas com bilhetes a partir dos 50 euros, como é o caso da Air Asia.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Texto de Catarina Serra Lopes, fotografia de Catarina Serra Lopes.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)