Orçamento do Estado

Comissão Europeia estima que o défice atinja os 0,6% em 2019 e que Portugal viole metas orçamentais

Bruxelas espera que a economia cresça apenas 1,8% no próximo ano e prevê um défice superior ao calculado pela UTAO. Défice estrutural não cai, o que deixaria Portugal a violar as regras europeias.

OLIVIER HOSLET/EPA

A Comissão Europeia estima que o défice orçamental no próximo ano desça apenas uma décima para os 0,6% do PIB, um valor aquém do previsto pelo Governo na proposta de Orçamento do Estado para 2019 (de apenas 0,2%) e superior até aos cálculos feitos pela Unidade Técnica de Apoio Orçamental e disputados pelo ministro das Finanças e a sua equipa no Parlamento. Bruxelas reviu ainda as suas contas para a redução do défice estrutural e está ainda mais pessimista, apontando uma manutenção do défice, o que colocaria Portugal numa situação de incumprimento das regras europeias, e pode exigir mais medidas ao Governo, ou no limite a uma revisão do orçamento.

Três dias depois de o Governo apresentar o Orçamento do Estado para 2019 a Bruxelas, a Comissão Europeia enviou uma carta a Portugal a pedir explicações sobre o porquê da redução do défice estrutural no próximo ano ficar tão aquém do exigido pelas regras europeias. Nessa carta, datada de 19 de outubro, a Comissão explicava que os seus cálculos apontavam para uma redução do saldo estrutural de 0,2%, ligeiramente inferior aos 0,3% que o Governo estimava, e pedia mais informação para que Portugal não fosse considerado com estando em risco de incumprimento.

Hoje, já tendo em conta os números do Orçamento e a resposta dada pelas autoridades portuguesas, a Comissão Europeia divulgou novas previsões económicas para Portugal e os restantes países europeus, e aí refez os cálculos que tinha para o caso português e mostra-se ainda mais pessimista.

Em relação ao défice orçamental, que o Governo estima reduzir dos 0,7% este ano para 0,2% no próximo ano, a Comissão acredita que os 0,7% são possíveis para 2018, mas para 2019 estima que o défice desça apenas para 0,6%, longe da meta do Governo e superior até aos 0,5% do PIB que a UTAO estimava no seu parecer à proposta de Orçamento do Estado, e que o Governo contestou publicamente.

Parte desta avaliação menos favorável deve-se a um contexto macroeconómico menos favorável que a Comissão Europeia a aponta a Portugal. Segundo os técnicos, a economia portuguesa só deverá crescer 2,2% este ano, contra os 2,3% esperados pelo Governo e 1,8% em 2019, quando o Governo espera que a economia ainda cresça 2,2%. O otimismo que a Comissão Europeia aponta a Portugal já tinha sido alvo de reservas do Conselho das Finanças Públicas, que endossou as previsões do Governo no Orçamento para 2019, mas com reservas, especialmente devido à previsão feita para o crescimento do investimento.

Mas a questão mais problemática para as autoridades portuguesas pode ser a previsão agora feita para o esforço orçamental. Na sequência de uma decisão do Conselho da União Europeia, que Portugal também aprovou, Portugal tem de reduzir o seu saldo estrutural em pelo menos 0,6% do PIB no próximo ano. Mas nas contas da Comissão Europeia isto não deverá acontecer, pelo menos não com o que está previsto no Orçamento do Estado para 2019.

A Comissão espera que o défice estrutural se mantenha exatamente no mesmo valor que deverá registar em 2018, o que faria com que a diferença para a redução que Portugal teria de fazer seja de 0,6% do PIB. Caso a situação se mantenha até ao final do mês, quando a Comissão Europeia vai divulgar a sua avaliação dos orçamentos da zona euro, Bruxelas poderá exigir a Portugal que tome mais medidas.

O processo decorrerá sempre em duas fases. Na primeira, agora no final de novembro, a Comissão Europeia vai fazer contas aos défices de acordo com as previsões económicas do Governo, ajustando apenas o valor das medidas que o Governo apresenta. Até maio, a Comissão voltará a olhar para a execução orçamental, e ai, já munida dos dados económicos de 2018 divulgados pelo Eurostat, fará uma nova avaliação do cumprimento das metas à luz das suas próprias previsões económicas, podendo exigir ainda mais ao Governo português.

Para já, os técnicos da Comissão avisam que, não só as contas não batem certo com o que o Governo prevê, mas também que há riscos de que estas metas fiquem ainda mais longe do previsto, “relacionados com o cenário macroeconómico e o impacto potencial de medidas de apoio ao setor bancário que aumentem ainda mais o défice”.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: nmartins@observador.pt
Austeridade

Os custos das escolhas estão aí /premium

Helena Garrido
1.000

Todas as escolhas têm custos. Mesmo que à primeira vista não pareçam. Os custos das escolhas financeiras feitas pelo Governo estão agora visíveis na Saúde e nos Transportes, agravando as desigualdades

Greve

O mundo que António Costa criou /premium

Rui Ramos
1.596

Desde 2015 que este governo trata os funcionários como o factor decisivo das vitórias eleitorais. As greves são a maneira de os funcionários obrigarem Costa a pagar mais pelos seus votos. 

Descobrimentos

Uma lança em África /premium

P. Gonçalo Portocarrero de Almada

Neste tempo, em que muitos se orgulham do que os deveria envergonhar, também há quem se envergonhe das glórias da história de Portugal.

Política

Precisamos da Esquerda

António Pedro Barreiro

Na guerra cultural em curso, a nova Esquerda esqueceu o povo e assumiu a defesa da excentricidade das elites. Eu, que não sou de Esquerda, acho que uma outra Esquerda faz falta ao sistema político.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)