Rádio Observador

Orçamento do Estado

IVA da luz a 6% para mais contratos. Ministro sugere a famílias que mudem para potência mais baixa

3.301

Ministro da Transição Energética não exclui discutir descida do IVA na eletricidade para mais contratos, mas Matos Fernandes exorta famílias a mudarem para potência contratada mais baixa e pagarem 6%.

LUSA

O ministro do Ambiente e Transição Energética não afastou totalmente a possibilidade de estender a redução do IVA da eletricidade a mais contratos, mas exortou as famílias a mudarem para a potência contratada mais baixa para poderem assim beneficiar da redução para a taxa de 6% em 2019.

João Matos Fernandes esteve no parlamento a discutir a proposta do Orçamento do Estado para 2019 e foi questionado pelo Bloco de Esquerda sobre o alcance limitado da descida do IVA sobre a fatura elétrica que abrange apenas a parte fixa. O deputado Jorge Costa perguntou se o Governo estaria disponível para corrigir a proposta de baixar o IVA apenas para a potência contratada mais baixa, deixando de fora dois milhões de consumidores.

O Governo está disponível para corrigir essa limitação e garantir que todos os consumidores com potência normal de 6,9 kVA beneficiam dessa descida?

Sem querer discutir o conceito de normalidade invocado por Jorge Costa, Matos Fernandes defendeu que a proposta do Executivo para reduzir o IVA na potência contratada mais baixa, de 3,45 kVA, já abrange um número expressivo de famílias. E sublinhou que optar pela potência contratada mais baixa “é um bom exemplo de eficiência energética”.

Segundo o ministro que ficou com a pasta da energia, “uma família de quatro pessoas pode viver” com a potência contratada mais baixa. E apesar de não fechar totalmente a porta ao tema no quadro da discussão do Orçamento do Estado, Matos Fernandes deixou também a sugestão:

“Não deixo de exortar as famílias a pensarem se não podem contratar uma potência mais baixa que sirva as suas necessidades”, para desta forma poderem beneficiar da descida do IVA no próximo ano. Na sua intervenção final, o ministro do Ambiente e Transição Energética afirmou que a “maior parte das famílias mais pequenas podem e devem equacionar em reduzir a potência”, sem reduzirem o seu nível de conforto.

Segundo contas feitas pela consultora da Deloitte, esta redução do IVA permitirá baixar fatura em menos de dois euros por mês. Mas o Executivo tem outras medidas na manga, nomeadamente a transferência de verbas da contribuição extraordinária e dos leilões de licenças de CO2, para garantir uma descida do preço da eletricidade para todas as famílias no próximo ano.

Para o deputado do PSD, Emídio Guerreiro, a maioria das famílias com quatro pessoas não vive com a potência contratada mais baixa — que não permite grandes consumos —  e cita dados do simulador da Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos (ERSE). Lembrou também que uma boa parte dos consumidores que estão nesta potência já beneficiam da tarifa social. O ministro respondeu que haverá 800 mil famílias vão beneficiar.

A descida do IVA sobre a eletricidade foi um tema forte nas negociações do Orçamento do Estado com os partidos à esquerda, mas acabou por ficar reduzida à parte fixa da fatura e apenas na potência contratada mais baixa, por razões orçamentais. A proposta feita pelo Governo no OE deverá custar 19 milhões de euros, mas a perda de receita será maior se muitos consumidores mudarem para a potência contratada mais baixa.

CESE pode chegar a centrais atribuídas por concurso

Na estreia parlamentar sobre temas da energia, Matos Fernandes admitiu ainda rever a proposta de extensão da contribuição extraordinária sobre o setor energético (CESE) às energias renováveis. Em causa está a uma cláusula que impede a cobrança da CESE aos parques eólicos que foram atribuídos por concurso o que, segundo Jorge Costa do Bloco de Esquerda, irá reduzir a anunciada receita de 30 milhões de euros a metade. Para o ministro, o importante nesta medida é assegurar que a CESE não irá travar o investimento nas energias renováveis, estando por isso previstas isenções para reforços de potência instalada e para o sobreequipamento de parques já existentes.

O ministro do Ambiente e Transição Energética foi ainda questionado sobre que compromissos terá o Governo assumido junto da EDP para a empresa aceitar retomar o pagamento da CESE. João Matos Fernandes diz que o compromisso foi assumido com os portugueses —  a CESE é temporária e enquanto for cobrada serve para baixar a dívida tarifária da eletricidade — e não com a EDP, nem com António Mexia. O presidente executivo da elétrica disse que a empresa pagaria a contribuição, que deixou de pagar em 2017, se todos mantivessem a sua palavra.

Matos Fernandes revelou ainda a intenção de rever o mecanismo de clawback que permite neutralizar efeitos de medidas fiscais em Portugal e Espanha nos  preços grossistas de venda da eletricidade. Espanha eliminou o imposto de 7% sobre a produção de energia e agora a produção nacional é menos competitiva e isso reforça a importação.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: asuspiro@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)