Relações Internacionais

Cimeira luso-espanhola de 2019 realiza-se na Guarda em junho

A Cimeira luso-espanhola de 2019 vai realizar-se na Guarda, em junho. Portugal e Espanha chegaram a acordo, em Espanha, para dar apoio "político" à organização de Mundial com Marrocos.

Conferência de imprensa na 30.ª cimeira bilateral, em Valhadolid, Espanha

JOSÉ COELHO/LUSA

A Cimeira luso-espanhola de 2019 vai realizar-se na Guarda, em junho, anunciou esta quarta-feira o primeiro-ministro, António Costa. O anúncio do líder do Governo aconteceu durante a conferência de imprensa no final da 30.ª cimeira bilateral, em Valhadolid, Espanha. “Voltaremos a encontrar-nos para a 31.ª cimeira de forma a dar continuidade ao que aqui iniciamos hoje e para lançarmos novos dossiês”, referiu Costa.

Na semana passada, o presidente da Câmara Municipal da Guarda, Álvaro Amaro, anunciou que ia sugerir ao primeiro-ministro que a cimeira luso-espanhola de 2019 fosse realizada naquela cidade. O autarca social-democrata, que falava aos jornalistas no final da reunião quinzenal do executivo, justificou que sendo a reunião de 2019 em Portugal, “gostaria de a ver [realizada] na Guarda”. “Ficaremos na expectativa de que tal possa ser possível”, referiu Álvaro Amaro, na altura.

Na 30.ª cimeira bilateral em Valhadolid (Espanha), onde durante esta tarde decorreram reuniões setoriais, Portugal e Espanha chegaram a acordo sobre políticas de desenvolvimento das regiões despovoadas e envelhecidas junto à fronteira comum para assegurar a sustentabilidade futura dos territórios, tornando-os atrativos para viver, trabalhar e investir. Os dois países definiram uma estratégia ibérica para desenvolver as zonas da raia, onde o despovoamento é um problema transversal nos dois lados da fronteira.

Portugal e Espanha dão apoio “político” à organização de Mundial com Marrocos

Portugal e Espanha chegaram a acordo, esta quarta-feira, em Valladolid (Espanha) para dar o seu apoio “político” à organização em conjunto com Marrocos de uma candidatura dos três países à organização do Mundial de futebol de 2030.

“Num momento em que é fundamental desenvolver as relações entre a Europa e África é, obviamente, uma boa ideia podermos ter um evento com a carga simbólica como é o mundial”, organizada nos dois continentes, disse o primeiro-ministro português, António Costa, na conferência de imprensa final da Cimeira bilateral entre os dois países ibéricos.

Tendo ao lado o chefe do Governo espanhol, Pedro Sánchez, o primeiro-ministro sublinhou a necessidade de ser feito “um longo trabalho de casa” por parte das federações de futebol dos três países para verificar a oportunidade da organização do Mundial. “É uma ideia […] que as nossas federações irão trabalhar e avaliar se têm ou não condições para avançar com uma ideia boa que merece ser conduzida com sucesso”, acrescentou António Costa.

Pedro Sánchez já tinha avançado com a proposta desta candidatura conjunta na semana passada aquando de uma visita que fez a Marrocos. “Parece-me que é uma mensagem que damos ao mundo, que damos a África e que damos à Europa de fraternidade, de amizade, de cooperação com uma envergadura e com um impacto tremendo…”, disse esta quarta-feira o chefe do Governo espanhol.

A última grande competição internacional de futebol organizada pela Espanha foi o Mundial de 1982, enquanto Portugal teve a seu cargo o Europeu de 2004. Marrocos candidatou-se ao Mundial de 2026, cuja organização foi atribuída a Canadá, Estados Unidos e México, e na sua proposta destacava o facto de o país estar no cruzamento do oriente com o ocidente e onde a Europa se encontra com África. Uma eventual candidatura dos países ibéricos com Marrocos iria juntar-se à proposta conjunta apresentada por Argentina, Paraguai e Uruguai em julho de 2017.

A Coreia do Sul deu eco da vontade se aliar a Coreia do Norte, Japão e China, enquanto o Reino Unido e a Irlanda também já manifestaram vontade de avançar, apadrinhados pelo presidente da UEFA, Alexander Ceferin. Marrocos também já tinha colocado a hipótese de se juntar a Argélia e Tunísia.

O único Mundial de futebol organizado por mais do que um país foi o de 2002, na Coreia do Sul e no Japão, e o segundo será o de 2026, mas em nenhum dos casos envolveu nações de duas confederações.

Espanha vai fazer autoestrada entre Zamora e Bragança

António Costa também anunciou que Espanha vai concretizar a “tão ambicionada” ligação rodoviária entre Zamora (Espanha) e Bragança (Portugal), há muito reivindicada pelos autarcas e populações dos dois países.

“É com gosto que registo que na declaração comum que aqui [cimeira] assinamos hoje, o Reino de Espanha assume o compromisso de concretizar a tão ambicionada ligação entre Zamora e Bragança”, afirmou o chefe do executivo português, durante a conferência de imprensa conjunta.

António Costa realçou que esta ligação é “fundamental” para oferecer a Bragança uma “franca ligação” a Espanha e à Europa. Na declaração conjunta é referido que já foi emitida a Declaração de Impacte Ambiental para os estudos da autoestrada A-11, do lado de Espanha, que permitirá consolidar a ligação entre as duas regiões.

A ligação entre Zamora, cidade espanhola a 80 quilómetros de Bragança, e Quintanilha, é feita atualmente pela nacional espanhola 122. Se Espanha não avançasse com a A-11 entre Zamora e Quintanilha, apenas estes 80 quilómetros seriam feitos sem ser em autoestrada por quem, por exemplo, viajar do Porto para o centro da Europa.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)