A Uber anunciou esta quinta-feira um investimento de 2 milhões de euros, numa parceria com a ACP, a Segurança Máxima e a Prevenção Rodoviária Português, para cursos formação obrigatória de motoristas.

Estamos muito satisfeitos em estabelecer parcerias com três das melhores entidades de formação rodoviária no país. O principal impacto destas parcerias será na comunidade de mais de 6500 motoristas em Portugal que vai poder optar por ter acesso de forma conveniente a um programa de formação em condições vantajosas”, refere a Uber.

O objetivo desta parceria é permitir que os motoristas, que atualmente trabalham com a Uber, possam aceder mais facilmente à formação necessária para continuarem a trabalhar com a plataforma. A empresa vai trabalhar com estas entidades para desenvolver um “programa de excelência” nestes centros de formação para novos motoristas.

Com a entrada em vigor, a 1 de novembro, da nova lei para transporte em veículos descaracterizados (a TVDE) — a Cabify, a Chauffer Privé, a Uber e a Taxify — passou a ser necessário que os motoristas que utilizam este tipo de plataformas tenham de completar uma nova formação. Se, até dia 28 de fevereiro de 2019, não completarem este novo requisito e submeterem ao IMT a prova de que fizerem este novo curso, deixam de poder trabalhar como motoristas privados nestes serviços tecnológicos.