Os ataques de cães, organizados em matilhas, parecem cada vez mais frequentes na zona de Aveiro. De acordo com uma notícia avançada esta quinta-feira pelo Jornal de Notícias, os animais já terão atacado moradores e turistas, sendo que a GNR, a Junta de Freguesia e a Câmara Municipal de Aveiro estão à procura de solução. A Câmara Municipal já terá mesmo dado indicação de recolha dos animais.

Segundo os relatos de alguns moradores, há grupos de cães vadios que percorrem a freguesia frequentemente, sendo que há um registo crescente de ataques de matilhas na via pública. Um desses testemunhos é de um morador que diz ter sido cercado por uma matilha na praia em São Jacinto, Aveiro, enquanto passeava. Ao tentar assustar o grupo de 13 cães com um pau que trazia na mão, ficou “encurralado”. “Tive de entrar no mar para não ser atacado”, recorda.

O episódio acabou bem e o morador conseguiu correr até à bicicleta para abandonar o local. Já um turista estrangeiro foi visto “com as calças rotas e a escorrer sangue das pernas” por ter sido atacado por cães, contou. É um dos muitos relatos que se têm ouvido na zona. Os cães “parecem lobos e têm medo”, contou um comerciante local.

A Junta de Freguesia de São Jacinto já terá identificado duas matilhas em Aveiro e tem procurado “encontrar uma solução com a ajuda da GNR e da câmara”. O seu presidente, António Aguiar, conta que, há um mês, “uma francesa que estava de férias foi mordida com gravidade pelos cães e teve de ir ao hospital”. Esta foi a primeira de seis situações reportadas à junta de freguesia. “As pessoas têm medo. Algumas já se atiraram ao mar para escapar, outras deixaram de caminhar à noite ou de sair sozinhas”.

A Câmara Municipal de Aveiro estará por isso a preparar a recolha dos animais, que serão “colocados em centros próprios”, confirmou o presidente do município, Ribau Esteves, ao JN. Esta operação de recolha será articulada entre a autarquia e o serviço de Proteção da Natureza e do Ambiente da GNR, segundo informa a Câmara.

Em setembro deste ano, uma notícia avançada para Lusa dava conta do registo de mais de 740 ataques de cães na via pública desde 2016, segundo revelou a GNR na altura.