532kWh poupados com o Logótipo da MEO Energia Logótipo da MEO Energia
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Logótipo da MEO Energia

Adere à Fibra do MEO com a máxima velocidade desde 32.99/mês aqui.

Facebook. Empresa-mãe passa a chamar-se Meta

Este artigo tem mais de 1 ano

Da mesma forma que a Google passou a ser a Alphabet, o Facebook, que também detém o Instagram e o WhatsApp, cria agora a Meta.

O Facebook (agora Meta), além da rede social com o mesmo nome, detém o Instagram e o WhatsApp
i

O Facebook (agora Meta), além da rede social com o mesmo nome, detém o Instagram e o WhatsApp

O Facebook (agora Meta), além da rede social com o mesmo nome, detém o Instagram e o WhatsApp

Toda a família de plataformas do Facebook vai fazer parte de um nome maior: “Meta”. O nome, de origem grega, significa “mudança, união, transformação, além” e surge porque a marca Facebook “está tão intimamente ligado a um produto”, e não também às outras plataformas que a empresa detém, como o Instagram, o WhatsApp ou a Oculus. O anúncio foi feito esta quinta-feira no Facebook Connect, um evento anual da empresa para programadores que este ano se foca em novidades de realidade virtual e aumentada.

Tenho pensado muito sobre a nossa identidade”, disse Mark Zuckerberg. “Com o tempo, espero que sejamos vistos como uma empresa do metaverso”, adiantou.

[Abaixo, pode rever a apresentação de Mark Zuckerberg]

Mark Zuckerberg, o presidente executivo e cofundador do Facebook, dedicou a maior parte do tempo da apresentação para mostrar a sua visão daquilo a que chama “metaverso”, a palavra completa que dá origem ao novo nome do Facebook empresa. Contudo, apesar desta alteração, nenhuma das outras marcas de Zuckerberg vai mudar. Ou seja, a rede social Facebook ou o Instagram continuam a ter o mesmo nome.

Estou orgulhoso do que construímos até agora, e estou entusiasmado com o que vem a seguir – à medida que avançamos além do que é possível, além das restrições dos ecrãs, além dos limites da distância e da física, e em direção a um futuro onde todos podem estar presentes uns com os outros, criar novas oportunidades e experimentar coisas novas. É um futuro que está além de qualquer empresa e que será feito por todos nós”, diz Zuckerberg.

Em comunicado enviado às redações, a Meta afirma que vai também a introduzir um “novo logótipo e cor para acompanhar a nova marca da empresa”. “O logotipo é um gradiente azul – como uma homenagem à herança do Facebook”, refere a empresa, dizendo que “foi projetado para ser experimentado em 3D para que realmente ganhe vida no metaverso”. O endereço de internet “meta.com” já redireciona para uma página oficial do Facebook com mais informações sobre o novo nome da empresa.

De acordo com a Meta, no futuro, a forma como interagimos com a tecnologia “vai ser mais imersiva”. “Quando estiver numa reunião no metaverso, vai sentir que está lá”, disse Zuckerberg. A sustentar esta afirmação, o líder da maior rede social do mundo aproveitou para anunciar um mercado digital no qual os criadores de conteúdos vão poder criar e vender produtos com os quais só se pode interagir com aparelhos como óculos de realidade virtual ou aumentada.

Enquanto liderar esta empresa farei o meu melhor para celebrar este espírito [de olhar para o futuro mesmo quando há adversidades]”, disse Mark Zuckerberg.

A visão do metaverso do Facebook é de tal forma ambiciosa que o executivo diz que, num futuro próximo, o trabalho remoto será feito com recurso a dispositivos de realidade aumentada. “Trabalhar de casa significa reduzir a pegada ecológica igual a menos uma viagem de avião por ano”, referiu Zuckerberg.

A visão de Zuckerberg para o futuro tem muitos hologramas e óculos de realidade aumentada que ainda não existem

“Ainda faltam anos para esta visão do metaverso”, disse ainda a empresa quanto à necessidade de haver legislação para estas tecnologias. De acordo com Zuckerberg, o Facebook — agora Meta — está a “falar com peritos fora da empresa” para perceber o impacto e, “desde o dia um, começar a criar as bases [legais] para esta tecnologia”.

No evento, a Meta voltou a falar das ferramentas para o Spark AR, o programa da empresa para realidade aumentada apresentado em junho. Agora, há mais mecanismos para que quem usa a ferramenta possa criar mais conteúdos neste formato que será aplicado à ideia de metaverso de Zuckerberg.

O Facebook foi criado em 2004, por Mark Zuckerberg, Eduardo Saverin, Andrew McCollum, Dustin Moskovitz e Chris Hughes. Inicialmente, a empresa chamava-se “TheFacebook”, tendo mais tarde passado a chamar-se apenas de “Facebook”, o nome da rede social que detinha. Esse continuou a ser o nome da empresa-mãe mesmo depois de, em 2012, o Facebook passar a deter também o Instagram após adquirir a plataforma por mil milhões de dólares. Em 2014, o Facebook voltou a fazer mais aquisições: a Oculus, uma das mais conhecidas empresas de realidade virtual, por dois mil milhões de dólares, e o serviço de mensagens online WhatsApp, por 19 mil milhões de dólares.

Zuckerberg e Sandberg “estão horrorizados pelos danos que o Facebook causou”

A mudança de nome do Facebook surge numa altura em que a empresa está a enfrentar várias polémicas devido ao tamanho e influência que detém. Na semana passada, já tinha sido revelado que Mark Zuckerberg quereria fazer esta alteração, algo que foi associado à necessidade de mudar a imagem pública do Facebook, que tem perdido credibilidade nos últimos anos.

Facebook “pôs lucros astronómicos à frente das pessoas”. A audiência da denunciante no Congresso

No início do mês, as plataformas da empresa foram abaixo, deixando milhões de pessoas e negócios sem acesso às redes sociais por um motivo não revelado. Além disso, vários membros do Congresso dos EUA querem novas investigações à empresa depois de Frances Haugen, uma antiga funcionária do Facebook, ter revelado dezenas de milhares de documentos internos que mostram que a rede social está consciente das consequências que pode causar mas que opta por não agir.

Não é a primeira vez que uma grande empresa muda de nome. Em 2015, a Google criou a Alphabet, que passou a ser a empresa que engloba todas as empresas — incluindo a Google — da tecnológica. Agora, o Facebook usa a mesma tática e muda o nome da sua empresa-mãe com a qual controla todas as plataformas que detém.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Este artigo só pode ser lido por um utilizador registado com o mesmo endereço de email que recebeu esta oferta.
Para conseguir ler o artigo inicie sessão com o endereço de email correto.