Rui Rio

Rui Rio diz que descontentamento social demonstra um país malgovernado

567

Rui Rio admitiu que fica um "pouco admirado" quando olha para a atual situação do país, em que a economia continua a crescer mas em que o nível de descontentamento social é muito grande.

O líder do PSD, Rui Rio

RUI MINDERICO/LUSA/LUSA

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

O líder do PSD, Rui Rio, afirmou na terça-feira à noite que o descontentamento social, que o deixa um pouco admirado, é um “indicador péssimo” para o PS e demonstra um país malgovernado.

Discursando num jantar de militantes em Fátima, no distrito de Santarém, Rui Rio admitiu que fica um “pouco admirado” quando olha para a atual situação, em que a economia continua a crescer, e para um Governo que “apostou tudo no presente” e se depara com um nível de descontentamento social do qual não se lembra de igual.

“Isto demonstra um país malgovernado”, frisou o líder do PSD, depois de enumerar os profissionais dos diversos setores que estão ou estiveram em greve recentemente, tais como os médicos, enfermeiros, estivadores, oficiais de justiça, professores ou guardas prisionais.

Para Rui Rio, um Governo que “dá tudo ao presente e tira tudo ao futuro deve, em princípio, esperar alguma paz social no momento em que está a dar tudo e deve esperar convulsão social uns anos depois, quando não tiver no futuro aquilo que ao futuro não entregou e gastou no presente”.

“Como é que é possível um Governo que apostou tudo no presente e tem um nível de greves e um nível de descontentamento social como eu não me lembro?”, questionou-se, considerando que a atual situação “é um indicador péssimo para a governação do PS”. Na sua perspetiva, “o normal era que agora não houvesse disto, o normal era que houvesse esta convulsão social daqui a dois ou três anos”.

Segundo Rui Rio, o problema estará na narrativa do Governo socialista sobre o fim da austeridade no país. “Eles dizem que já não estamos em austeridade. Disseram tantas vezes que já não estavam em austeridade, que agora estamos a ver as greves de pessoas que estavam à espera, legitimamente, daquilo que o Governo dizia que podia dar e que naturalmente não pode dar”, vincou.

No entanto, para lá da reposição dos salários da Função Pública e das reformas, “há uma outra austeridade, a austeridade que temos é a degradação dos serviços públicos”, salientou o presidente do PSD. Na sua ótica, os serviços públicos hoje oferecidos são de “qualidade muito pior do que anteriormente”.

“Há três anos não estávamos no céu, mas há três anos tínhamos serviços públicos de melhor qualidade do que temos agora”, declarou, para acrescentar: “Nestes três anos piorou, não melhorou. A performance do PS nestes três anos foi de degradação dos serviços públicos”.

Durante o discurso, que durou mais de meia hora, Rui Rio deixou ainda três pedidos para 2019: o partido começar a pensar nas autárquicas de 2021, para recuperar a sua influência no poder local; combater a abstenção nas europeias e vencer as legislativas.

Em relação às legislativas, Rui Rio pediu, para o próximo ano, um PSD “unido e forte”, para substituir a governação socialista, considerando que, se os sociais-democratas não forem capazes de construir uma alternativa, “mais ninguém é capaz”.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)