Rádio Observador

Assédio Sexual

“Eu sei o que vocês querem”. A reação de Kevin Spacey às acusações de agressão sexual que está a chocar Hollywood

166

Kevin Spacey não surgia nas redes sociais há mais de um ano. Esta segunda-feira, dia em que soube que será acusado de agressão sexual, decidiu publicar um vídeo. "Eu sei o que vocês querem", garantiu.

O ator de 59 anos vai ser formalmente acusado de agressão sexual a um jovem de 18 anos

Tim P. Whitby/Getty Images for Sony Pictures

Kevin Spacey não fazia qualquer publicação nas redes sociais desde 30 de outubro de 2017. Na altura, o ator norte-americano emitiu um comunicado onde pedia desculpa a Anthony Rapp, o primeiro jovem a acusá-lo de assédio sexual, e revelava pela primeira vez que é homossexual. Passou mais de um ano. Esta segunda-feira, véspera de Natal, Kevin Spacey decidiu voltar à ribalta e reaparecer: mas a maneira como o fez está a ser criticada e encarada com espanto e surpresa — até por outros atores de Hollywood.

No mesmo dia em que se soube que foi formalmente acusado de agressão sexual a um jovem de 18 anos, no Estado do Massachusetts, Kevin Spacey publicou um vídeo com o título “Deixem-me ser franco”, uma brincadeira com o nome da personagem que interpretava na série de sucesso “House of Cards”, Frank Underwood — o ator de 59 anos foi despedido da série da Netflix pouco depois de o escândalo de assédio sexual ser conhecido, mas decidiu agora voltar a interpretar a personagem para o vídeo. Durante o discurso, Kevin Spacey parece debruçar-se sobre dois tópicos: o facto de a personagem que interpretava na série ter morrido, para justificar a saída do ator; e todos aqueles que o criticaram e atacaram depois das notícias que o envolviam em casos de assédio.

“Eu sei o que é que vocês querem. De certeza que eles nos tentaram separar mas aquilo que nós temos é demasiado forte, demasiado poderoso. Afinal, partilhámos tudo, eu e vocês. Eu contei-vos os meus segredos mais profundos e mais obscuros. Mostrei-vos exatamente aquilo de que as pessoas são capazes. Choquei-vos com a minha honestidade. Acima de tudo, desafiei-vos e fiz-vos pensar. E vocês confiaram em mim, ainda que soubessem que não o deviam fazer. Por isso nós não acabámos, digam o que disserem. E, além disso, eu sei o que vocês querem. Vocês querem-me de volta”, afirmou o ator, que saiu da série e deixou o lugar de protagonista para a atriz Robin Wright, que interpretava o papel da mulher de Frank Underwood.

Kevin Spacey acrescenta ainda que “alguns acreditaram em tudo e estão só à espera, com a respiração calma, de ouvir uma confissão”. “Estão a morrer para me ouvir declarar que é tudo verdade e que tive o que merecia. Não era tão fácil? Se tudo fosse assim tão simples. Só que eu e vocês sabemos que nunca é assim tão simples, nem na política, nem na vida. Mas vocês não acreditariam no pior sem provas, pois não? Não saltariam para julgamentos sem factos, pois não? Fizeram-no? Não, vocês não. Vocês são mais inteligentes do que isso”, sentenciou o ator, sempre sob a voz da personagem de “House of Cards”.

O vídeo publicado esta segunda-feira por Spacey já motivou muitas críticas e frases de surpresa e incredulidade — na sua maioria, de outros atores. Jon Favreau, ator que entrou na série “Friends” e em vários capítulos da saga “Os Vingadores”, recorreu ao Twitter para reagir à publicação de Kevin Spacey e perguntou se o ator “usa a equipa legal de Donald Trump”. Patricia Arquette, conhecida por protagonizar a série “Medium” e vencedora do Óscar de Melhor Atriz Secundária em 2015, afirmou que “nenhum dos homens que eram crianças na altura em que foram vítimas de agressões sexuais apreciaram o vídeo estranho de Kevin Spacey”. Já Rosanna Arquette, irmã de Patricia e também ela atriz, foi mais longe e defendeu que o ator “perdeu a cabeça”. “Que vídeo absurdo. Isto é só o princípio. Existem muitas mais vítimas. O que as pessoas não percebem é que a verdade vai acabar por vir ao de cima. Os homens maus e mentirosos podem acabar depois de todos, mas acabam”, escreveu a atriz de “Pulp Fiction” e “Crash”.

Kevin Spacey vai ser formalmente acusado dos crimes de agressão sexual e ofensas corporais pelos procuradores locais de Cape Cod and the Islands, no estado do Massachusetts (EUA). O ator de 59 anos deverá comparecer perante um juiz no dia 7 de janeiro para responder por acusações de agressão sexual e lesão corporal ao filho de uma jornalista televisiva de Boston.

O procurador Michael O’Keede anunciou esta segunda-feira que Spacey será formalmente acusado no Tribunal de Nantucket a 7 de janeiro. Em causa está uma alegada agressão sexual a um jovem de 18 anos, filho da jornalista Heather Unruh, do canal de televisão WCVB-TV. “Fico contente por saber que o caso está a avançar no sistema judicial”, comentou a mãe da alegada vítima ao Boston Globe.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mfernandes@observador.pt
Economia

O Congresso dos Economistas /premium

Manuel Villaverde Cabral

A legislação que regula as empresas e os investimentos é tão complicada e contraditória que não só arrasta os processos muito mais tempo que a média europeia como leva os investidores a desistirem.

Política

Alguns mitos da democracia portuguesa /premium

André Abrantes Amaral

Alguns mitos desta democracia: que está tudo bem, que os portugueses são racistas e que a direita não existe porque é socialista. Contudo, como sucede com os verdadeiros mitos, estes também são falsos

Política

Alguns mitos da democracia portuguesa /premium

André Abrantes Amaral

Alguns mitos desta democracia: que está tudo bem, que os portugueses são racistas e que a direita não existe porque é socialista. Contudo, como sucede com os verdadeiros mitos, estes também são falsos

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)