Espanha

Lutador espanhol que defendia mulheres agredidas foi abatido a tiro pelo gangue dos Pistoleros

5.040

Eduardo tinha 42 anos, era pai de uma menina de dois e tinha praticado luta greco-romana. Foi morto depois de atacar um membro dos Pistoleros, gangue que agredia mulheres junto a Barcelona.

O espanhol já tinha escapado a várias tentativas de homicídio por parte dos "Pistoleros"

Eduardo Cebrià tinha 42 anos, foi praticante de luta greco-romana, treinador desportivo, trabalhou na construção e era pai de uma menina de dois anos. No bairro onde vivia, nos arredores de Barcelona, costumava defender as mulheres que eram agredidas por um grupo organizado que é responsável pelo narcotráfico na região e semeou o terror desde que chegou a Baró de Viver. Este sábado, foi assassinado por elementos do clã por isso mesmo: por defender as mulheres do bairro.

O crime aconteceu durante a tarde do passado sábado, quando Eduardo passeava os cães num parque do bairro. De acordo com o El Español, os Pistoleros — alcunha pela qual eram tratados os elementos deste grupo de etnia cigana, por estarem sempre armados — tinham procurado o espanhol desde as primeiras horas do dia, com o objetivo claro de o matar. Segundo os vizinhos, Eduardo foi morto com quatro tiros e os elementos do grupo, adultos e crianças, deixaram o bairro ainda na noite de sexta-feira, o que deixa perceber que o homicídio foi pensado e premeditado.

O desentendimento que culminou com a morte de Eduardo terá acontecido no dia anterior, sexta-feira, quando o antigo lutador soube que uma mulher tinha sido agredida na via pública por um elemento dos Pistoleros — algo que estava longe de ser inédito. “O Edu tirou o agressor de um bar, agarrou-o pelo pescoço, atirou-o ao chão e disse-lhe para não voltar a fazer o mesmo”, contou o pai do lutador agora abatido.

O historial de conflitos entre Eduardo e os Pistoleros é bastante longo e não começou na semana passada. A luta do espanhol contra o grupo que em 2004 se mudou para Baró de Viver começou há cerca de quatro anos. O clã não suportava as investidas de Eduardo e chamava-lhe el payo loco, algo como “o branco louco”: as tentativas de homicídio multiplicaram-se e só não foram bem sucedidas nos casos anteriores porque o antigo lutador era mais forte e tinha mais experiência do que aqueles que o tentaram matar. Este sábado, apanhado de surpresa, Eduardo não conseguiu defender-se.

Depois do assassinato, os vizinhos de Eduardo pegaram fogo ao edifício onde viviam os Pistoleros. Agora criticam os Mossos d’Esquadra, as autoridades da Catalunha, e responsabilizam-nos pelos crimes que acontecem diariamente em Baró de Viver. “Quando tinha um conflito qualquer com eles para defender alguém, os Mossos apareciam depois para o felicitar, davam-lhe palmadas nas costas e diziam ‘muito bem, Edu, muito bem’. Mas não tinham coragem para entrar lá e acabar com o problema”, explica Jordi, familiar de Eduardo.

Os habitantes do bairro nos arredores de Barcelona pensam agora no dia em que os Pistoleros regressem a Baró de Viver: “As pessoas fartaram-se. São muitos anos de abusos. Se voltarem, isto vai ser uma guerra”.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mfernandes@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)