Uma mulher de nacionalidade argentina sequestrada há 32 anos, por uma rede de tráfico de seres humanos, e o seu filho menor foram resgatados no início deste mês, informou a polícia argentina num comunicado divulgado esta terça-feira. A mulher, agora com 45 anos, e o filho, de nove, já regressaram à família.

Uma cidadã de nacionalidade argentina tinha sido levada para o Estado Plurinacional da Bolívia há aproximadamente 32 anos. A qual se encontrava com o seu filho menor de idade”, informam as autoridades argentinas em comunicado.

A libertação resultou de uma operação conjunta da Gendarmería Nacional de Argentina (Guarda Nacional da Argentina, em português), a principal força de segurança daquele país, e da Fuerza Especial de Lucha contra el Crimen (Força Especial de Luta contra o Crime, em português) da Polícia Nacional da Bolívia. Em 2014, a polícia argentina recebeu uma ordem judicial para voltar a investigar o caso.

[Veja na fotogaleria as imagens da operação de resgate divulgadas pela Gendarmería Nacional de Argentina]

4 fotos

No início deste ano, conseguiram encontrar o paradeiro da mulher desaparecida desde 1986, quando tinha apenas 13 anos. Conseguiram também perceber que a vítima tinha um filho que se encontrava junto dela. Os novos elementos davam conta de que a mulher estaria em Bermejo, uma cidade da Bolívia, localizada na província de Aniceto Arce, que faz fronteira com a província argentina de Salta.

As autoridades seguiram, então, as novas pistas e, no dia de Natal, divulgaram um comunicado em que anunciavam o novo avanço na investigação: a mulher e o filho, vítimas de tráfico de seres humanos, foram resgatados no início do mês de uma casa onde eram mantidos, na Bolívia. A polícia não avançou detalhes sobre o autor ou autores do sequestro nem sobre as condições em que viviam as vítimas.

Logo após a libertação, a mãe e o filho foram entregues a uma associação de apoio e assistência a vítimas de tráfico de seres humanos, na cidade de Salta, informou a polícia argentina, que também partilhou informações sobre a operação no Twitter. As duas vítimas já regressaram, entretanto, à família, em Mar del Plata, uma cidade costeira no centro da Argentina.