Luís Marques Mendes

Marques Mendes: professores são “vítimas” do “jogo político-eleitoral”

217

Luís Marques Mendes defendeu que a questão dos professores foi transformada num "jogo político-eleitoral". Já Marcelo tem tudo decidido, mas não anuncia recandidatura por causa das legislativas.

Fábio Poço / Global Imagens

O veto do Presidente da República ao diploma do Governo que previa a recuperação parcial do congelamento das carreiras dos professores era “completamente óbvio e evidente”. Para Luís Marques Mendes, que abordou o tema no seu espaço de comentário na SIC, Marcelo Rebelo de Sousa não tinha outra alternativa senão mandar o documento para trásporque “a lei do Orçamento, aprovada na Assembleia da República por todos os partidos menos o Partido Socialista, dizia que o Governo os sindicatos tinham de entrar num novo processo negocial, e o Presidente tinha de respeitar”. “Se [o] promulgasse, estava a afrontar a Assembleia da República”, afirmou este domingo, defendendo que o veto é uma derrota para o Executivo de António Costa.

Marques Mendes considerou ainda que a decisão do Governo de avançar com as negociações com os professores foi precipitada e que se deveu a “erro de análise”. “Acho que o Governo se convenceu de que o Presidente da República era uma espécie de notário, de avalista e que, portanto, assinava de cruz o que vinha [do lado do Executivo]. O Presidente tem apoiado o Governo em muitas ocasiões, mas não é evidentemente um notário ou um avalista”, disse o comentador.

Ainda sobre a questão dos professores, que se arrasta “há imenso tempo”, Marques Mendes defendeu que o problema tem também a ver com um “jogo político-eleitoral”. “Os professores estão a ser usados, e muitas vezes até a ser vítimas”, afirmou o comentador, considerando que os partidos, em especial o PCP e o Bloco de Esquerda, não têm interesse em colocar um ponto final no assunto. Querem “arrastar” o conflito até às eleições legislativas do próximo ano e procurar “captar o voto dos professores descontentes”. Marques Mendes salientou que é preciso encontrar uma solução, e que tanto o Governo como os sindicatos precisam de ceder.

Marques Mendes abordou ainda a eventual existência de regimes diferentes para a carreira dos professores no Continente, Madeira e Açores, considerando-a inconstitucional. “Não é possível nestas matérias haver dois ou três regimes diferentes, uns professores de segunda e outros de primeira”, disse, defendendo que a situação pode dar origem a “um berbicacho”.

Recandidatura: Marcelo já tem tudo decidido mas não faz anúncio por causa das legislativas

Numa reportagem publicada no Diário de Notícias neste sábado, Marcelo Rebelo de Sousa deixou em aberto a possibilidade de se recandidatar à Presidência da República em 2020. Sobre as declarações do Presidente da República ao jornal, Marques Mendes admitir ter a convicção de que Marcelo já tem tudo decidido relativamente a uma recandidatura. “Só não quer dar um sinal” para não interferir nas legislativas.

“De acordo com a teoria dos equilíbrios políticos, se o Presidente da República anunciasse antes das eleições legislativas de 2019 as sua recandidatura, poderia favorecer uma eleição e até com maioria com António Costa. Porquê? Porque os portugueses não gostam normalmente de colocar os ovos todos no mesmo cesto, e se Marcelo Rebelo de Sousa disser que se vai recandidatar, a ideia de um Presidente de centro-direita fazer um segundo mandato podia ajudar a favorecer o segundo mandato de António Costa, ou seja, de um primeiro-ministro de centro-esquerda”, esclareceu Mendes, explicando assim, do seu ponto de vista, a existência de este “tabu”.

Durante o seu comentário semanal na SIC, Mendes teve ainda tempo para analisar a mensagem de Natal deixada por Marcelo num artigo de opinião publicado no Jornal de Notícias a 25 de dezembro, que classificou como muito virada para as causas sociais, onde “Marcelo é mais militante e genuíno”. “Ele vive com muita intensidade as causas sociais”, afirmou, deixando a análise política do Presidente para a mensagem de Ano Novo.

Mensagem de Natal: primeiro-ministro foi mais humilde do que habitual

Relativamente à mensagem de Natal do primeiro-ministro, Marques Mendes descreveu-a como “eminentemente política”, de “pré-campanha eleitoral”. “Até anteciparia dizer que ele fez uma espécie de guião do que vai dizer no seu discurso de campanha eleitoral daqui a uns meses”, afirmou o comentador. Do ponto de vista do conteúdo, Mendes descreveu a mensagem de António Costa como muito moderada, sem “esquerdismos, radicalismos” ou “aventurismos”, o que prova que o primeiro-ministro que “obter votos no centro-esquerda, mas também no centro-direita.” O comentador também considerou que Costa foi mais humilde do que é habitual, procurando corrigir os erros do passado. “Significa que ele está atento às políticas que se vão fazendo”, acrescentou.

Com o ano a chegar ao fim, Marques Mendes deixou também algumas previsões para 2019, como o abrandamento da economia mundial, incluindo da portuguesa, um défice “muito, muito próximo do zero” e um segundo mandato para o Partido Socialista, que sairá vencedor das próximas eleições tendo em conta as “sondagens atuais”. “A única grande dúvida é esta: se vai conseguir o seu grande objetivo que é ter uma maioria absoluta. E eu diria que não vai ser fácil, e que já esteve mais perto de a obter”, afirmou o comentador, considerando que o partido tem vindo a “perder gás”.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)