Rep Democrática do Congo

República Democrática do Congo. Acesso à internet cortado para evitar “revolta popular” durante as eleições

Decisão foi tomada momento crucial da centralização dos resultados das eleições presidenciais de domingo. O envio de mensagens escritas de telemóvel também é impossível desde segunda-feira à tarde.

STEFAN KLEINOWITZ/EPA

Autor
  • Agência Lusa

O acesso à internet foi cortado pelas autoridades da República Democrática do Congo para evitar “uma revolta popular”, no momento crucial da centralização dos resultados das eleições presidenciais de domingo.

A suspensão do acesso à internet e às redes sociais já tinha sido noticiada na terça-feira, pela agência francesa AFP. O envio de mensagens escritas de telemóvel também é impossível desde segunda-feira à tarde.

“O conselho nacional de segurança decidiu que era imperativo cortar a internet, para permitir à comissão eleitoral nacional independente terminar a contagem e codificação dos resultados eleitorais”, disse à AFP Barnabe Kikaya bin Karubi, conselheiro diplomático do ainda Presidente, Joseph Kabila, sem adiantar a duração prevista do corte.

“Há pessoas que intoxicam a população com falsos dados sobre as eleições e isso abre caminho a uma revolta popular”, justificou.

Segundo constatou a AFP no local, algumas pessoas tentavam aceder à rede nos poucos grandes hotéis de Kinshasa, a capital, onde a internet ainda está disponível, enquanto outras compravam, a preços elevados, pacotes de dados de operadoras da vizinha República do Congo.

Difícil está também, pelo menos na capital, ouvir a Radio France Internationale, que dedicou várias edições especiais às eleições na República Democrática do Congo, o maior país francófono do mundo, com oito a doze milhões de habitantes, onde tem uma significativa audiência.

O corte no acesso à internet deu origem às primeiras reações diplomáticas após as eleições de domingo, com a comunidade internacional a apelar às autoridades congolesas para reverterem a decisão.

A missão da Igreja Católica – única missão nacional acreditada para a observação eleitoral, que mobilizou 40 mil observadores no terreno — já comunicou ter detetado algumas anomalias no decorrer da contagem de votos e sinalizou problemas como falta de boletins e máquinas de voto, atrasos na abertura das urnas e dificuldades com as listas eleitorais.

As eleições ficaram marcadas por vários incidentes violentos entre militantes opositores, que causaram, pelo menos, quatro mortos.

Mais de 39 milhões de congoleses foram chamados às urnas no domingo para escolher o sucessor do presidente Joseph Kabila, obrigado pela Constituição e pela opinião pública a não se recandidatar, e também os deputados nacionais e provinciais de 75.781 colégios eleitorais.

O delfim de Kabila, Emmanuel Ramazani Shadary, é um dos candidatos, a par com dois opositores, Félix Tshisekedi e Martin Fayulu, cuja campanha acusou as autoridades de quererem, com o corte da internet, evitar a difusão de uma “vaga” de manifestações que confirmaria “a vitória esmagadora” do candidato.

Se não acontecerem imprevistos, o novo presidente assumirá o cargo a 18 de janeiro.

Os resultados provisórios “serão divulgados no domingo, o mais tardar”, confirmou esta terça-feira a comissão eleitoral nacional independente.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)