O médium brasileiro João Teixeira de Faria, conhecido como João de Deus, que está preso preventivamente no Complexo Prisional de Aparecida de Goiânia após várias denúncias de abusos sexuais, foi levado para o hospital esta quarta-feira de manhã, avançou o G1, o site de notícias da Globo.

Segundo informações da Diretoria-Geral de Administração Penitenciária (DGAP), o médium brasileiro terá passado mal na manhã desta quarta-feira e durante uma consulta de rotina teve um sangramento na urina. Perante a situação, a equipa médica decidiu encaminhá-lo para um estabelecimento hospitalar para a realização de mais exames.

Ele [João de Deus] teve um sangramento na urina hoje [quarta-feira], mas já não vem se sentindo bem há alguns dias. Ele também relatou dor no estômago e tonturas. Fizemos o requerimento para que ele fosse levado o mais rápido possível para fazer exames e o médico do Complexo Prisional também pediu exames com urgência”, conta o advogado Alex Neder à Globo.

O advogado de defesa adiantou ainda que a família está bastante preocupada com o estado de saúde do médium brasileiro. “Não é o local adequado para que ele fique, principalmente agora, com o agravamento do estado de saúde”, refere.

João de Deus enfrenta denúncias por abusos sexuais de mais de 200 mulheres e está preso desde 16 de dezembro, após ter-se entregado às autoridades. O Ministério Público brasileiro acusou o médium brasileiro a 28 de dezembro por violação sexual e “estupro de vulnerável”, baseando-se em quatro caso relatados entre abril e outubro de 2018, sendo dois por violação sexual e dois por estupro de vulnerável.

Das “cirurgias espirituais” a Oprah, Dilma ou Lula até aos abusos. João de Deus, o “médium” acusado por mais de 200 mulheres