Rádio Observador

Televisão

Manuel Luís Goucha reage a polémica com Mário Machado: “Nem eu nem a Maria branqueámos a conversa”

1.521

Manuel Luís Goucha reagiu à polémica em torno da presença de Mário Machado no programa da TVI "Você na TV". O apresentador de 64 anos diz que a "ideologia do politicamente correto é perigosa".

© Máxima/Branislav Šimončík

“Nem eu nem a Maria branqueámos a conversa. É preciso sermos contundentes na defesa dos valores da liberdade. Eu não quero ditadores no meu país, sejam de direita ou de esquerda”, disse Manuel Luís Goucha ao jornal Público sobre a presença de Mário Machado no “Você na TV”. O líder da Nova Ordem Social, movimento de extrema-direita esteve no programa da TVI na manhã de quinta-feira, dia 3, para participar num debate que tinha como tema “Precisamos de um novo Salazar?”. Concluída a entrevista conduzida por Goucha e Maria Cerqueira Gomes, a Entidade Reguladora para a Comunicação (ERC) recebeu queixas e o SOS Racismo condenou publicamente a atitude da estação de Queluz de Baixo.

O apresentador defendeu a mesma ideia nos primeiros dez minutos do programa “Você na TV” na manhã de sexta-feira. Assim que o formato começou, Manuel Luís Goucha aproveitou para assegurar que Mário Machado foi convidado pelo autor da rubrica Diga de Sua (In)Justiça, Bruno Caetano, e que “todas as ideias podem ser discutidas na televisão” desde que exista o devido contraponto. Referindo-se à “acesa discussão” nas redes sociais e até na comunicação social que foi “galvanizada” durante a tarde, Goucha afirmou ainda que a opinião de “largas centenas” deverá refletir “a postura de alguém que não se deu ao trabalho de ir ver a conversa”. “Claro que as ideias de Mário Machado são perigosas”, acrescentou.

Da parte da tarde as coisas inflamaram-se, mas eu sei que a maior parte não ouviu a conversa. É a manipulação, muito vinculada pelas redes sociais. Nem eu nem a Maria convidámos Mário Machado, mas a partir do momento em que ele é nosso convidado nós temos uma conversa e vamos enfrentar os argumentos”, disse ao Público.

Em entrevista do Público, o apresentador de 64 anos garante que não esteve envolvido na presença de Mário Machado no programa e defende que, tanto ele como a nova apresentadora que veio ocupar o lugar deixado vago por Cristina Ferreira, não se revêm nas ideias do convidado. “Eu acho que as ideias, por muito perigosas que sejam, devem ser debatidas e contrariadas com outras ideias que nos parecem justas e que a própria História e práticas democráticas nos provaram que são justas.”

Devia ter sido convidado? Eu sou-lhe sincero: as ideias de Bolsonaro vingaram sem um debate televisivo. Eu sou da opinião que não devemos ter medo dos debates televisivos, pelo contrário. É uma oportunidade de ouro para confrontar argumentos e ideias. Chama-se a isso viver em democracia. Se não, através das redes sociais, estas ideias podem colher frutos como colheram.

Manuel Luís Goucha garantiu ainda que não branqueia “ditaduras nem ditadores”, sejam eles de esquerda ou de direita, e afirmou que a “ideologia do politicamente correto é perigosa, a não ser que viole a constituição”. O apresentador assegurou ainda que explicou em direto que “o racismo e xenofobia eram inconstitucionais”.

Goucha confirmou, no entanto, que foi ele quem pediu a sondagem, via Facebook, com a pergunta “Precisamos de um novo Salazar?”: “Fui eu que pedi uma sondagem com aquela pergunta, como peço se é a favor da corrida de touros. A maioria, como eu estava à espera, disse que não queria um ditador. Qual é o problema? É bom recordar que num programa recente da RTP os telespectadores elegeram a figura de Salazar como o maior português de sempre. Concordei? Claro que não. Mas é uma figura que faz parte da nossa História, uma figura incontornável do século XX. É bom que se fale dela com tudo aquilo que ela implica até para não voltarmos a ter outros Salazares.”

João Cravinho também comentou a participação de Mário Machado no programa “Você na TV”. Na respetiva conta de Twitter, o ministro da Defesa comparou a postura da TVI à dos incendiários: “Vivemos em tempos complexos, e é preciso ter a noção que uma atitude destas por parte da estação em causa não é muito diferente de quem ateia incêndios pelo prazer de ver as labaredas”. 

Também o Sindicato dos Jornalistas emitiu um comunicado tendo em conta o destaque dado a Mário Machado na estação de Queluz de Baixo. Na respetiva página online, o Sindicato dos Jornalistas considera a opção da TVI “irresponsável” e “insta a que o canal pare de usar indevidamente o termo ‘repórter’, que só deve ser aplicado a quem é, efetivamente, jornalista com carteira profissional”. A par do “pseudo tratamento jornalístico”, aquela entidade sublinha que o entretenimento “também tem de respeitar a Constituição da República Portuguesa”.

O Sindicato dos Jornalistas vai apresentar queixas contra a TVI na Entidade Reguladora para a Comunicação Social e na Assembleia da República: “O Sindicato dos Jornalistas recorda ainda que, de acordo com a mesma lei fundadora (artigo 46.º), ‘não são consentidas (…) organizações racistas ou que perfilhem a ideologia fascista’ e apela à Assembleia da República que se pronuncie, à luz deste artigo, sobre o caráter da Nova Ordem Social, organização política ‘nacionalista e patriota’ liderada por Mário Machado”. Esta entidade vai ainda pedir à Comissão da Carteira Profissional de Jornalista “que avalie eventuais procedimentos disciplinares e esclareça a TVI sobre a indevida utilização da palavra ‘repórter'”, sendo que já solicitou à Ordem dos Advogados esclarecimentos sobre se “Mário Machado é ‘advogado’, como foi apresentado, e ‘jurista’, como o próprio se intitulou”.

Para que fique bem esclarecido, quando convidei o cidadão Mário Machado ficou sempre evidente que se tratava pura e…

Posted by Bruno Caetano on Friday, January 4, 2019

Bruno Caetano, responsável pela rubrica Diga de Sua (In)Justiça, usou as redes sociais para se defender: “Para que fique bem esclarecido, quando convidei o cidadão Mário Machado ficou sempre evidente que se tratava pura e simplesmente de uma entrevista que falava das convicções deste acerca de Salazar”. No texto publicado na sua conta de Facebook, Caetano justifica o convite feito a Mário Machado e escreve ainda que nada dá o direito de ser ameaçado de morte ou de receber ofensas dirigidas à sua família.

Em 1997, Mário Machado foi condenado a uma pena de prisão de quatro anos e três meses por envolvimento na morte de Alcindo Monteiro, cabo-verdiano de 27 anos que foi assassinado a 10 de junho de 1995. Segundo o Correio da Manhã, mais recentemente Mário Machado foi condenado a 16 meses de prisão por dois crimes de sequestro e a sete meses de prisão por posse de arma.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: acmarques@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)