Ensino Superior

Secretária de Estado aponta flexibilização de currículos como desafio para ensino superior

A secretária de Estado adjunta do primeiro-ministro considera que o executivo deve investir na flexibilização dos currículos do ensino superior e "diversificar as portas de entrada" na forma de acesso

Mariana Vieira da Silva defende que cada aluno deve poder "desenhar o seu percurso" académico, o que implica a "flexibilização de currículos"

PAULO NOVAIS/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

A secretária de Estado adjunta do primeiro-ministro, Mariana Vieira da Silva, apontou esta segunda-feira como desafios para a inovação no ensino superior a flexibilização de currículos e a diversificação de formas de acesso.

Mariana Vieira da Silva falava em Lisboa, na “Convenção Nacional do Ensino Superior 20/30”, organizada pelo Conselho de Reitores das Universidades Portuguesas.

Segundo a secretária de Estado, para que o ensino superior se inove é preciso “diversificar as portas de entrada”, para que cada vez mais alunos com o ensino secundário concluído acedam às universidades e aos institutos politécnicos.

Além disso, sustentou Mariana Vieira da Silva, cada aluno deve poder “desenhar o seu percurso” académico, o que implica um outro desafio, o da “flexibilização de currículos”.

A socióloga enumerou, ainda, a qualificação para as competências digitais, a “renovação de quadros” e o ensino de trabalhadores-estudantes – a “reconversão de ativos” – como desafios, numa curta intervenção, imposta pela organização, no encerramento do painel sobre inovação no ensino e nas ofertas formativas.

Antecedendo a secretária de Estado adjunta do primeiro-ministro, dirigentes de instituições de ensino superior advogaram um modelo de ensino mais flexível.

O vice-reitor da Universidade de Lisboa, António Feijó, reconheceu que a oferta de formação “devia ser mais ampla”, assinalando que a “rigidez de oferta se torna impercetível à procura”.

Para o presidente do Instituto Superior Técnico, Arlindo Oliveira, o “modelo tradicional de ensino começa a revelar-se desadequado”, porque, invocou, os novos alunos do ensino superior surgem “com outras maneiras de aprender”.

O especialista em inteligência artificial defendeu que a competitividade internacional do ensino superior português requer um “ensino mais criativo e flexível”.

O ex-presidente do Instituto Politécnico de Leiria e atual presidente do IAPMEI – Agência para a Competitividade e Inovação, Nuno Mangas, concluiu, a este propósito, que as empresas “têm ambientes mais criativos” do que as instituições de ensino superior.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Ensino Superior

Bolonha, 20 anos depois

José Ferreira Gomes

Temos um falso sistema de dois ciclos de licenciatura e mestrado porque se está a generalizar a prática de admitir a mestrado estudantes que não concluíram a licenciatura. Estranho? Não em Portugal!

Polémica

Caso encerrado (ainda "O regresso do 'eduquês'")

José Pacheco

O senhor Torgal crê – uma crença não se discute – que as escolas são prédios, dentro dos quais professores do século XX tentam ensinar alunos do século XXI, seguindo práticas pedagógicas do século XIX

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)