Marcelo Rebelo de Sousa

Marcelo deixou “um grande abraço de amizade” a Roberto Leal, que torna “Portugal mais presente no Brasil”

247

O Presidente da República deixou uma mensagem ao cantor, que recentemente revelou que luta contra um cancro. Marcelo quis saudar o "papel ao longo de tantos anos na projeção da língua portuguesa".

Roberto Leal recebeu uma mensagem de Marcelo Rebelo de Sousa no programa "Agora Nós"

Roberto Leal faz “a ponte, não apenas musical, mas humana” entre Portugal e o Brasil. As palavras foram de Marcelo Rebelo de Sousa para o cantor e transmitidas esta quarta-feira no programa “Agora Nós” da RTP, apresentado por José Pedro Vasconcelos e Tânia Ribas de Oliveira. O Presidente da República deixou uma mensagem de apoio a Roberto Leal, que recentemente revelou a luta contra um cancro há cerca de dois anos, e destacou também a relação Portugal-Brasil, tendo em conta que o cantor é luso-brasileiro e vive há vários anos em Portugal.

Queria neste momento saudar com um grande abraço de amizade, acompanhando um período um pouco mais difícil na vida. Sobretudo saudar o papel ao longo de tantos anos na projeção da língua portuguesa, na projeção daquilo que é a música portuguesa e na ligação às comunidades portuguesas espalhadas pelo mundo, em particular à ligação às comunidades brasileiras”, disse ainda Marcelo Rebelo de Sousa a Roberto Leal.

Numa mensagem curta, o Presidente da República referiu ainda que conhece o cantor “há já muitos anos” e sublinhou o seu papel que liga a cultura brasileira à cultura portuguesa, conseguindo, “nessa medida, tornar Portugal mais presente no Brasil“. “É o que tem feito Roberto Leal, é o que fez, é o que faz e o que vai continuar a fazer”, acrescentou.

O cantor, recorde-se, disse recentemente numa entrevista ao Domingo Show, da TV Record, que sofre de cancro na pele e que sentiu necessidade de se isolar para conseguir superar a doença, daí ter mantido o segredo durante tanto tempo. A dor que sentia, explicou, provocou “era maior do que tudo”. “Era uma dor que começava no final da minha coluna, que se estendia para a minha perna direita e adormecia a perna. Tinha horas em que eu não sentia do joelho para baixo”.

Marcelo Rebelo de Sousa deu, na véspera de Natal, uma entrevista a Manuel Luís Goucha e ligou em direto esta segunda-feira para o novo programa de Cristina Ferreira. Em declarações à Lusa, o Presidente da República esclareceu que o telefonema foi feito para alcançar “um mínimo de equilíbrio”.

(Artigo atualizado 19h12 desta quarta-feira)

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
PSD

Marcelo, o conspirador /premium

Alexandre Homem Cristo

O pior destes 10 dias no PSD foi a interferência de Marcelo. Que o PSD se queira autodestruir, é problema seu. Que o Presidente não saiba agir dentro dos seus limites institucionais, é problema nosso.

Catarina Martins

O Bloco é de extrema-esquerda? /premium

Luís Rosa
168

O BE quer destruir o capitalismo, vê o mercado como nocivo para as relações humanas, o Estado como o único proprietário e a intolerância política como arma. Puro extremismo vestido de vermelho.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)