Astronomia

Observatório do Exército explica o céu em 100 horas de astronomia

O Observatório Astronómico do Exército lançou a iniciativa "100 horas de astronomia" com o intuito de incentivar o jovens a a usar telescópios e a ver o sol. A iniciativa dura até domingo.

Esta é uma iniciativa da União Astronómica Internacional (UAI) para comemorar os seus 100 anos

NASA/EPA

Autor
  • Agência Lusa

O Observatório Astronómico do Exército vai, entre esta quinta-feira e domingo, mostrar e explicar o céu no âmbito da iniciativa “100 horas de astronomia”, incentivando os jovens a usar telescópios e a ver o sol, prometendo uma experiência “cinco estrelas”.

O Centro de Informação Geoespacial do Exército (CIGeoE), em Lisboa, participa com o Observatório nas “100 horas de astronomia”, uma iniciativa da União Astronómica Internacional (UAI) para comemorar os seus 100 anos, divulgando a astronomia em todo o mundo durante 100 horas.

O CIGeoE aderiu e quinta-feira recebeu as primeiras visitas, jornalistas mas sobretudo dezenas de estudantes, com o astrónomo José Ribeiro como cicerone, a explicar como é que nasceu o sol, do que é composto e como vai desaparecer um dia.

E depois, no topo do edifício, mostrou-lhes o sol através de telescópios. E nos próximos dias também lhes vai mostrar o céu noturno. Para assinalar os 100 anos da UAI, mas também pelos 20 anos da criação do Observatório, inaugurado em 1999 pelo então primeiro-ministro António Guterres.

O CIGeoE é um órgão do Exército que tem como principal missão a produção de informação geoespacial, quer para apoio do Exército quer de outros ramos das Forças Armadas, quer mesmo para particulares, explicou à Lusa o responsável do Observatório, o tenente-coronel Rui Teodoro, adiantando que o grande objetivo é produzir cartografia pormenorizada de todo o país na escala 1/25.000.

Sobre a iniciativa desta quinta-feira, Rui Teodoro disse que “foi lançado um convite para que instituições, órgãos, até simples curiosos, organizassem estas sessões, com o objetivo da divulgação científica da astronomia e divulgação da ciência de forma geral”.

José Ribeiro, disse também à Lusa que desde o ano internacional da astronomia, 2009, foi possível levar a astronomia a grande parte da população.

Há mais consciência de que a verdadeira natureza não está aqui, porque somos o resultado de toda a dinâmica do universo”, disse José Ribeiro,  um dos utilizadores do observatório do Exército.

E se nos últimos 100 anos o conhecimento científico evoluiu muito, José Ribeiro não tem dúvida de que o que se sabe é “ainda muito pouco”.

“Basta dizer que 95% do que existe não sabemos o que é. Por isso se tem investido tanto nos aceleradores de partículas, porque há matéria e energia que não sabemos o que é”, acrescentou o astrónomo, que já antes tinha falado aos jovens do sol, que é “cinco estrelas”, com 15 milhões de graus no seu núcleo.

José Ribeiro é um dos utilizadores do observatório do Exército. À Lusa disse que o trabalho ali, no alto do prédio, entre duas ruas de Lisboa, é monótono e solitário mas também compensador, “pelos dados que se levam para casa”.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Japão

Pegar o touro pelos cornos /premium

José Miguel Pinto dos Santos

Não deixa de ser irónico que as potências por detrás da intransigência doutrinária da Comissão Baleeira Internacional sejam as mesmas que, no século 19, exigiram ao Japão que lhes abrisse os portos...

Governo

2019 no mundo e em Portugal

Inês Domingos

Vinte anos depois do calendário, passada a crise, 2019 é o ano em que política, social e economicamente entramos realmente no novo século. Este Governo está aflitivamente impreparado para o enfrentar.

Política

O Povo é sempre o mesmo

Pedro Barros Ferreira

Trump e Bolsonaro não apareceram de gestação expontânea, antes pela sementeira criada pelos partidos e políticos que nada fazem, mas que dizem que tudo deve mudar para que, afinal, tudo fique na mesma

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)