PSD

Presidente da distrital do PSD/Bragança acusa opositores de Rio de incoerência

462

O presidente da distrital de Bragança do PSD, Jorge Fidalgo, acusa os opositores internos do presidente do partido, Rui Rio, de incoerência e manifestou-se "absolutamente contra" eleições antecipadas.

MIGUEL PEREIRA DA SILVA/LUSA

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

O presidente da distrital de Bragança do PSD, Jorge Fidalgo, acusou esta sexta-feira os opositores internos do presidente do partido, Rui Rio, de incoerência e manifestou-se “absolutamente contra” eleições antecipadas.

“Estou absolutamente contra, acho extemporâneo, uma coisa sem qualquer sentido, porque tivemos um líder que vai fazer daqui a dois dias um ano que foi eleito e nessa altura houve oportunidade, para quem quisesse concorrer à liderança, de o ter feito”, disse à Lusa.

Jorge Fidalgo acrescentou que “nem sequer” percebe e que estranha “muito esta atitude” de Luís Montenegro, “porque revela falta de coerência e revela tudo o contrário do que ele vem a dizer”. “Estamos aqui perante a coerência e a responsabilidade de um líder que é o doutor Rui Rio e perante a incoerência de um grupo de pessoas que eu pessoalmente ainda não percebi quais são os interesses”, afirmou.

Para o presidente da distrital de Bragança, os interesses por detrás do movimento contra Rui Rio “não são certamente a defesa do PSD”. Jorge Fidalgo defende que é nas eleições legislativas de outubro que o partido tem de verificar o resultado da ação do líder. “Eu lembro que três meses antes das eleições legislativas de 2015 todas as sondagens davam a derrota ao PSD e ao CDS e ganharam-nas”, apontou.

Fidalgo critica a política em que “tudo é muito volátil, tudo é muito rápido” e entende que “os portugueses se reveem numa postura de coerência e de responsabilidade”, numa atitude de “fazer política de forma séria para as pessoas e não para as notícias garrafais dos jornais e das televisões”. Jorge Fidalgo defende que Rui Rio preconiza “políticas que sirvam o país e que sirvam as pessoas” e que “era importante era que os companheiros do PSD e os militantes estivessem todos unidos nesse propósito”.

É exatamente o eleitorado que vai decidir. Se fosse o próprio doutor Rui a pôr o lugar à disposição, aí as coisas seriam completamente diferentes, agora haver um grupo de militantes, liderado, neste caso, pelo doutor Luís Montenegro, por quem tenho a maior simpatia, respeito e amizade, mas discordo em absoluto”, enfatizou.

Para o presidente da distrital de Bragança do PSD, este “não é o momento” para estas movimentações, numa altura em que o partido está a preparar o conselho estratégico e as eleições europeias. “E eu espero que o PSD seja aquele partido de referência que sempre foi e não um partido de quem anda à procura de lugares e de interesses pessoas, eu isso estarei sempre absolutamente contra”, declarou.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Governo

As confusões do nepotismo na política /premium

Miguel Pinheiro
821

Pedro Nuno Santos escreveu que “ninguém deve ser prejudicado na sua vida profissional por causa do marido, da mulher, da mãe ou do pai”. Está quase tudo errado nestas 19 palavras.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)