Vaidades

Os looks mais comentados de Melania ao fim de dois anos na Casa Branca

Tudo o que a primeira-dama veste é considerado "culturalmente significante" e as escolhas de Melania não são exceção. Ao fim de dois anos na Casa Branca, recordamos os looks que mais deram que falar.

Spencer Platt/Getty Images

Depois de quase um mês desaparecida das objetivas dos jornalistas, Melania Trump quebrou o aparente silêncio para celebrar os dois anos de mandato do marido. No Twitter, a primeira-dama norte-americana publicou uma fotografia de ambos a dançar no baile da tomada de posse com a seguinte legenda: “Foram dois anos inesquecíveis na Casa Branca. Sinto-me honrada por servir esta grande nação”.

Desde que Donald Trump assumiu o comando da Casa Branca que a primeira-dama ficou nas bocas do mundo. A ex-modelo de origem eslovena já estará, por estes dias, habituada à presença do seu nome nos media — locais, nacionais e até internacionais –, sobretudo pelas escolhas de guarda-roupa: afinal, o que Melania veste, enquanto mulher do presidente dos Estados Unidos da América, é “culturalmente significante”.

De janeiro de 2016 a janeiro de 2018 muita tinta correu e muitos foram os looks da primeira-dama que deram que falar, como o casaco da Zara que Melania levou numa viagem ao Texas, numa visita a um abrigo de crianças separadas dos pais na fronteira dos EUA com o México. Nas costas do casaco estava a mensagem “I Really Don’t Care, Do U?” (“Realmente não me importo, e tu?”, em português).

Este e outros visuais de Melania Trump, escolhidos com a ajuda da Glamour, seguem na fotogaleria acima disponibilizada, que assinala o seu segundo aniversário enquanto primeira-dama. 

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Justiça

Danos do divórcio e direito à indemnização

Nuno Cardoso Ribeiro

Hoje o processo judicial de divórcio não admite pedidos indemnizatórios sendo necessária uma acção cível e reviver factos e episódios que se prefere esquecer. Este regime todos os dias cria injustiças

Crónica

Na Caverna da Urgência

António Bento

A principal queixa do homem contemporâneo é a de uma permanente e estrutural sensação de «falta de tempo». Há uma generalização da urgência a todos os domínios da experiência e da existência moderna.

Winston Churchill

A arrogância da ignorância /premium

João Carlos Espada

Como devemos interpretar que um dirigente do segundo maior partido britânico venha dizer em público que o líder do mundo livre durante a II Guerra, Winston Churchill, foi um “vilão”?

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)